PUBLICIDADE

Promotor do Haiti pede indiciamento de premiê por morte de Moise

Henry teria telefonado para um dos principais suspeitos do crime

14 set 2021 17h53
| atualizado às 18h47
ver comentários
Publicidade

O promotor-geral do Haiti, Bedford Claude, pediu nesta terça-feira (14) o indiciamento do atual premiê, Ariel Henry, por possível participação no assassinato do presidente Jovenel Moise, ocorrido em 7 de julho.

Para promotor, Henry tem participação no assassinato do presidente
Para promotor, Henry tem participação no assassinato do presidente
Foto: EPA / Ansa - Brasil

"Há evidências suficientes para processar o sr. Henry e pedir seu indiciamento imediato", escreveu Claude no pedido enviado para o juiz Garry Orelien e que foi repercutido pela mídia do país.

O promotor ainda enviou uma segunda carta para a Administração de Migração pedindo a apreensão do passaporte e o controle para que Henry não fuja do país "por graves presunções no assassinato do presidente da República".

Segundo a investigação liderada por Claude, Henry telefonou várias vezes para Joseph Felix Badio, que trabalhou na unidade anticorrupção do Ministério da Justiça e que as autoridades haitianas acreditam ser o principal mandante e financiador do assassinato de Moise. Ele está foragido até hoje.

Os telefonemas ocorreram às 4h03 e 4h20 do dia 7 de julho, pouco depois do grupo armado ter invadido a casa de Moise, a residência oficial da presidência, e ter mantado o mandatário. A esposa do presidente foi atingida, mas após algumas cirurgias em Miami, nos Estados Unidos, conseguiu sobreviver.

Essa é a primeira vez que Henry é acusado de estar envolvido com o assassinato.

Em 15 de julho, matérias do jornal "El Comercio" e da emissora "El Caracol", ambas da Colômbia, informaram que o antecessor do atual premiê, Claude Joseph, estava envolvido no plano de assassinar Moise.

A princípio, deveria ocorrer o sequestro do então presidente, mas o "plano mudou" e determinou sua morte. Ainda conforme as matérias, a mudança ocorreu dois dias antes do crime. A polícia do Haiti negou a informação.

Henry havia sido escolhido por Moise para ser o sexto premiê de seu mandato, substituindo Joseph. No entanto, como houve o crime, a troca não foi efetuada no dia 9 de julho, mas apenas no dia 20 após um acordo entre os dois políticos. .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade