PUBLICIDADE

Produtores peruanos suspendem protesto para negociar com governo sobre erradicação da folha de coca

22 out 2021 18h18
ver comentários
Publicidade

Agricultores peruanos concordaram em iniciar diálogos com o governo sobre a erradicação das plantações de folha de coca e suspender o bloqueio de uma rodovia que travou centenas de veículos de carga e de passageiros por uma semana, disseram autoridades.

Polícia peruana em plantação de coca em  Caballococha
02/11/2019
REUTERS/Gabriel Stargardter
Polícia peruana em plantação de coca em Caballococha 02/11/2019 REUTERS/Gabriel Stargardter
Foto: Reuters

A primeira-ministra peruana, Mirtha Vásquez, anunciou o acordo após reunião com dirigentes cocaleiros para montar uma mesa de trabalho no dia 28 de outubro, na qual será discutida a demanda dos camponeses da região de Puno, no sudeste do país, que se opõem a um plano oficial de erradicação da folha de coca.

Há vários anos, o Estado peruano desenvolve um programa de destruição de plantações ilegais de folha de coca, já que 90% da planta é destinada à produção de cocaína e o restante ao consumo tradicional como energizante ou mate de coca, segundo o governo.

O bloqueio da via interoceânica que liga o Peru ao Brasil ocorre no momento em que há críticas da oposição à política antidrogas do presidente de esquerda Pedro Castillo, porque alguns parlamentares e autoridades pró-governo se opõem à erradicação.

Muitos camponeses pobres afirmam que não têm safras alternativas lucrativas e é por isso que cultivam folhas de coca para seu uso tradicional. Peru e Colômbia são os maiores produtores de folhas de coca e cocaína do mundo, segundo dados oficiais.

"Vamos ver como continuar o processo de erradicação", disse Vásquez a repórteres após a reunião. "O Estado continua firme em sua política de combate ao narcotráfico, mas também devemos enfrentar o problema dos agricultores".

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade