PUBLICIDADE

Príncipe Charles diz que setor privado é essencial para resolver crise climática

10 jun 2021 20h11
ver comentários
Publicidade

O príncipe britânico Charles promoveu uma reunião entre presidentes de algumas das principais empresas do mundo na quinta-feira, dizendo a elas que os negócios e finanças do setor privado são essenciais para resolver a crise climática um dia antes de uma reunião deles com líderes do G7.

Príncipe Charles em Tetbury
 10/6/2021   Arthur Edwards/Pool via REUTERS
Príncipe Charles em Tetbury 10/6/2021 Arthur Edwards/Pool via REUTERS
Foto: Reuters

Charles, de 72 anos, que passou grande parte de sua vida fazendo campanha para que empresas e governos refletissem sobre as questões ambientais, disse aos executivos que, se eles trabalharem junto de governos, "nós podemos mover montanhas".

"Nós temos, eu acredito, uma oportunidade de mudar o jogo para impulsionar as parcerias entre governos, empresas e finanças do setor privado, que são absolutamente vitais se quisermos vencer a batalha para combater as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade", disse Charles.

"A não ser que possamos destravar recursos, inovações e finanças do setor privado, com o setor público estabelecendo um quadro de incentivos e regulações, não teremos chance de resolver crises existenciais que foram desenvolvidas ao longo de anos."

Os que compareceram ao evento no St. James Palace, no centro de Londres, representam mais de 300 líderes empresariais globais, que assinaram a participação em uma coalizão, e foram reunidos pelo príncipe como parte de sua Iniciativa de Mercados Sustentáveis que foi lançada no ano passado.

Entre eles estavam diretores do Bank of America, AstraZeneca, HSBC, Natwest e do Aeroporto de Heathrow. Também estavam presentes o enviado especial para o Clima dos EUA, John Kerry, e o presidente britânico da COP26, Alok Sharma.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade