0

Primeiro urso polar nascido nos trópicos morre aos 27 anos

Inuka, que nasceu em Cingapura, enfrentava dificuldades como artrite e problemas dentais e infecções no ouvido.

25 abr 2018
10h06
atualizado às 11h21
  • separator
  • comentários

Cingapura lamentou nesta quarta-feira a morte do primeiro urso polar nascido e criado na ilha tropical, que foi sacrificado depois de travar uma luta de cinco anos contra problemas de saúde derivados de sua idade avançada.

Inuka, de 27 anos, enfrentava dificuldades como artrite e problemas dentais e infecções no ouvido.

"Por mais que quiséssemos manter Inuka conosco tanto quanto possível, nossa responsabilidade maior é seu bem-estar", disse Cheng Wen-Haur, funcionário das Reservas da Vida Selvagem de Cingapura, que operam o zoológico.

Inuka no zoológico de Cingapura 16/12/2015 REUTERS/Edgar Su
Inuka no zoológico de Cingapura 16/12/2015 REUTERS/Edgar Su
Foto: Reuters

"A maior bondade seria libertá-lo do sofrimento prolongado", disse Cheng em um comunicado.

Os clamores para que se permitisse que Inuka tivesse uma morte natural cresceram depois que a operadora do zoológico disse neste mês que o urso, cuja idade correspondia a 70 anos em termos humanos, estava doente.

"Por favor deixem que ele morra naturalmente", pediu Vanessa S. Wee, uma de mais de 100 usuários de redes sociais que comentaram na página de Facebook da operadora do zoológico.

"Ele é o único urso polar tropical, um verdadeiro cingapureano, um ícone sem igual", acrescentou a usuária Anita Ryanto.

Inuka, ou "força pressagiadora" na língua inuíte, nasceu em 26 de dezembro de 1990 de Nanook e Sheba, que chegaram do Canadá e da Alemanha, respectivamente, em 1978.

Grupos de direitos dos animais vêm pedindo aos zoológicos para não manterem ursos polares, que sofrem por não terem acesso às vastas áreas às quais estão acostumados em seu habitat natural.

Veja também:

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade