PUBLICIDADE

Mundo

Primeiro-ministro grego dá a entender que fará reforma no gabinete após decepção na votação da UE

11 jun 2024 - 15h51
Compartilhar
Exibir comentários

O primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis sugeriu uma reformulação do gabinete nesta terça-feira, dizendo que "medidas corretivas" eram necessárias após seu partido de centro-direita ter um desempenho inferior ao esperado nas eleições para o Parlamento Europeu.

Seu partido, Nova Democracia, que lidera a Grécia desde 2019, ficou em primeiro lugar nas eleições de domingo na UE, com 28,3% dos votos, mas não atingiu a meta de 33% que Mitsotakis havia estabelecido durante a campanha pré-eleitoral. Também ficou bem abaixo dos 40% conquistados pelo partido na eleição nacional do ano passado.

"Temos três anos pela frente", disse em entrevista à Alpha television transmitida nesta terça-feira, descartando a possibilidade de uma eleição nacional imediata.

"É meu dever (...) seguir em frente com todas as medidas corretivas que mostrarão às pessoas que levamos em conta sua mensagem", disse ele.

Mitsotakis disse que seus ministros seriam avaliados no momento oportuno, mas não chegou a anunciar uma reformulação.

O primeiro-ministro atribuiu o que chamou de voto de "protesto" do domingo ao alto custo de vida, prometendo que o governo vai se esforçar mais dentro dos limites orçamentários da Grécia para combater a espiral de preços dos produtos alimentícios, embora tenha descartado um corte no imposto sobre vendas.

Apesar da recuperação econômica após uma década de sofrimento, os salários na Grécia seguem abaixo da média da UE.

Um recorde de 59% dos eleitores registrados se absteve na votação da UE.

"Entendo por que alguns cidadãos decidiram por meio de seu voto ou de seu silêncio... porque a abstenção também é uma postura política, para nos enviar essa mensagem", disse.

A legislação que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo, histórica reforma aprovada neste ano, também prejudicou os índices da Nova Democracia, pois afastou alguns eleitores tradicionais, avaliou Mitsotakis, acrescentando não ter planos de reverter a lei porque acredita na igualdade.

"Esse resultado eleitoral também pode ser libertador. Vamos prosseguir com grandes mudanças", disse Mitsotakis, sem entrar em detalhes.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade