PUBLICIDADE

Presidente do Parlamento da UE terá funeral de Estado na Itália

David Sassoli morreu aos 65 anos de idade

12 jan 2022 10h08
| atualizado às 10h32
ver comentários
Publicidade

O governo da Itália aprovou nesta quarta-feira (12) a realização de um funeral com honras de Estado para o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, morto na última terça (11) aos 65 anos de idade.

David Sassoli presidia o Parlamento Europeu desde julho de 2019
David Sassoli presidia o Parlamento Europeu desde julho de 2019
Foto: EPA / Ansa - Brasil

O político socialista será velado na sede da Prefeitura de Roma nesta quinta-feira (13), das 10h às 18h (horário local), e o funeral está previsto para o dia seguinte, na igreja de Santa Maria degli Angeli, também na capital italiana.

Funerais de Estado preveem honras militares no início e no fim da cerimônia e a presença dos principais representantes institucionais do país.

As exéquias de Sassoli também devem contar com os presidentes da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e do Conselho Europeu, Charles Michel, que lideram, respectivamente, o poder Executivo e o principal órgão político da UE.

Sassoli estava internado desde 26 de dezembro em um hospital oncológico de Aviano, que diz que a morte foi provocada por uma "grave complicação devida a uma disfunção no sistema imunológico".

Em setembro, o italiano chegou a ser hospitalizado devido a uma grave pneumonia bacteriana e nunca se recuperou completamente. Além disso, ele já havia feito há cerca de 10 anos um transplante de medula devido a um mieloma, câncer que atinge o sistema imunológico.

Trajetória

Nascido em 30 de maio de 1956, em Florença, Sassoli foi criado em Roma e, antes de entrar para a política, trabalhou como jornalista por mais de duas décadas e foi apresentador do TG1, principal telejornal da emissora pública Rai e da TV italiana.

Sassoli deixou o canal em 2009 para se candidatar ao Parlamento Europeu pelo Partido Democrático (PD), de centro-esquerda, e foi eleito com 412 mil votos. Em 2013, tentou disputar a Prefeitura de Roma, mas acabou perdendo as primárias do PD para Ignazio Marino, que venceria as eleições.

Depois disso, decidiu se concentrar na UE e foi reeleito para o Europarlamento em 2014 e 2019. Após liderar a delegação do PD entre 2009 e 2014, foi vice-presidente do Legislativo de 2014 a 2019, quando venceu a disputa para comandar o órgão, sucedendo o também italiano Antonio Tajani.

Sassoli defendia o acolhimento de migrantes e refugiados, cobrava reações mais drásticas contra medidas autoritárias em Estados-membros do leste europeu e era a favor do aumento da integração no bloco.

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade