0

Pompeo acusa Rússia de trabalhar ativamente para enfraquecer sanções sobre Coreia do Norte

14 set 2018
21h01
  • separator
  • comentários

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, acusou a Rússia nesta sexta-feira de trabalhar ativamente para enfraquecer sanções internacionais sobre a Coreia do Norte e disse que cumprimento das medidas é essencial para convencer Pyongyang a abandonar suas armas nucleares.

"A Rússia tem tentado ativamente enfraquecer as resoluções do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas e o trabalho do comitê da ONU que avalia cumprimento das sanções", disse Pompeo em entrevista coletiva no Departamento de Estado.

Pompeo falou após a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, acusar Moscou na véspera buscar acobertar violações de sanções da ONU sobre a Coreia do Norte cometidas por russos ao buscar mudanças em relatório independente sobre violações de sanções.

Pompeo disse esperar que o comitê de sanções da ONU "publique o documento original que pretendia publicar e que mostra claras atividades ligadas às sanções e violações de sanções".

"Os EUA estão comprometidos como sempre em continuar aplicando resoluções do Conselho de Segurança da ONU. Nós acreditamos que elas são centrais aos esforços do presidente Trump para convencer o presidente Kim de que desnuclearização completa e final da península coreana é necessária", disse.

Pompeo acrescentou que os EUA continuam tendo "muitas conversas" com a Coreia do Norte sobre "como efetuar o cumprimento de todos os compromissos feitos" na cúpula de 12 de junho entre Trump e o líder norte-coreano, Kim Jong Un.

A missão da Rússia na ONU e a missão da Coreia do Norte na ONU não responderam imediatamente pedidos de comentários sobre as afirmações de Pompeo.

O Conselho de Segurança da ONU se encontra na segunda-feira para discutir a implementação de sanções sobre a Coreia do Norte a pedido de Washington.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade