PUBLICIDADE

Pesquisas indicam que bloco governista do Japão deve manter maioria em eleição

21 out 2021 09h42
ver comentários
Publicidade

O Partido Liberal Democrático (PLD) do Japão provavelmente perderá algumas cadeiras na eleição para a câmara baixa do Parlamento do país no dia 31 de outubro, mas a coalizão governista que forma com o partido Komeito deve manter sua maioria parlamentar, disseram vários jornais nesta quinta-feira citando resultados de suas pesquisas.

Premiê do Japão, Fumio Kishida, durante entrevista coletiva em Tóquio
14/10/2021 Eugene Hoshiko/Pool via REUTERS
Premiê do Japão, Fumio Kishida, durante entrevista coletiva em Tóquio 14/10/2021 Eugene Hoshiko/Pool via REUTERS
Foto: Reuters

O primeiro-ministro Fumio Kishida almeja obter um respaldo claro para levar adiante o combate ao coronavírus e medidas para revigorar a economia abalada pela pandemia, mas resultados eleitorais ruins poderiam transformá-lo em mais um premiê de vida curta no cargo.

Kishida assumiu o lugar de Yoshihide Suga como líder da terceira maior economia do mundo em 4 de outubro, já que a popularidade do antecessor despencou quando ele mostrou dificuldade para conter uma quinta onda de infecções pelo coronavírus.

Em uma sondagem do diário Asahi Shimbun, 38% dos entrevistados disseram que pretendem votar no PLD de Kishida, menos do que os 41% de uma pesquisa anterior realizada no começo deste mês.

Naquela, 7% dos entrevistados disseram que planejavam votar no Komeito, mais do que os 5% da enquete anterior, e a porcentagem dos que pretendem votar no Partido Constitucional Democrático do Japão (CDPJ), a maior sigla opositora, se manteve em 13%, como na pesquisa prévia.

Outros jornais, como os diários Mainichi e Yomiuri, disseram que o bloco governista provavelmente conquistará uma maioria simples de 233 assentos ou mais, mas que se acredita que o PLD sofrerá alguns contratempos.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade