4 eventos ao vivo

Parlamentar do Irã oferece recompensa por morte de Trump; EUA chamam de "ridículo"

21 jan 2020
15h14
  • separator
  • 0
  • comentários

Um parlamentar iraniano ofereceu uma recompensa de 3 milhões de dólares para quem matasse o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e disse que o Irã poderia evitar ameaças se tivesse armas nucleares, informou a agência de notícias Isna nesta terça-feira, em meio ao mais recente impasse de Teerã com Washington.

Presidente dos EUA, Donald Trump, em Battle Creek, no Michigan
18/12/2019 REUTERS/Leah Millis
Presidente dos EUA, Donald Trump, em Battle Creek, no Michigan 18/12/2019 REUTERS/Leah Millis
Foto: Reuters

O embaixador de desarmamento dos EUA, Robert Wood, classificou a recompensa de "ridícula", dizendo a repórteres em Genebra que mostrava os "fundamentos terroristas" do establishment iraniano.

As tensões têm aumentado desde que Trump retirou Washington do acordo nuclear de Teerã com as potências mundiais em 2018 e restabeleceu as sanções dos EUA ao país. O impasse explodiu em ataques militares retaliatórios este mês.

"Em nome do povo da província de Kerman, pagaremos uma recompensa de 3 milhões de dólares em dinheiro para quem matar Trump", disse o legislador Ahmad Hamzeh ao Parlamento de 290 lugares, segundo a Isna.

Ele não disse se a recompensa tinha algum apoio oficial dos governantes clericais do Irã.

A cidade de Kerman, na província ao sul da capital, é a cidade natal de Qassem Soleimani, um importante comandante iraniano cuja morte em um ataque de drones ordenado por Trump em 3 de janeiro em Bagdá levou o Irã a disparar mísseis contra alvos dos EUA no Iraque.

"Se tivéssemos armas nucleares hoje, estaríamos protegidos contra ameaças... Deveríamos colocar em nossa agenda a produção de mísseis de longo alcance capazes de carregar ogivas não convencionais. Esse é o nosso direito natural", afirmou ele, de acordo com a Isna.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade