1 evento ao vivo

Papa envia novamente investigadores sobre abusos sexuais ao Chile

31 mai 2018
16h13
  • separator
  • 0
  • comentários

O papa Francisco decidiu enviar seus dois principais investigadores de abusos sexuais de volta ao Chile para que reúnam mais informações sobre a crise que abalou a Igreja Católica local, informou o Vaticano nesta quinta-feira.

Papa em reunião no Vaticano 21/5/2018   REUTERS/Tony Gentile
Papa em reunião no Vaticano 21/5/2018 REUTERS/Tony Gentile
Foto: Reuters

O arcebispo Charles Scicluna, de Malta, e o padre Jordi Bertomeu, um funcionário do Vaticano, se concentrarão na diocese de Osorno, no sul chileno, sede de um bispo que é o principal envolvido no escândalo.

Segundo comunicado do Vaticano, o objetivo da visita, que deve começar nos próximos dias, é "levar adiante o processo de reparação e cura para as vítimas de abusos".

Os dois prepararam um relatório de 2.300 páginas para o papa depois de conversarem com vítimas, testemunhas e membros da Igreja no início deste ano.

No dia 18 de maio todos os 34 bispos do Chile ofereceram renúncia depois de comparecerem a uma reunião de crise com o pontífice no Vaticano que tratou do acobertamento de abusos sexuais na nação sul-americana.

O papa Francisco ainda não anunciou se aceitará alguma renúncia.

O escândalo gira em torno do padre Fernando Karadima, que uma investigação feita pelo Vaticano em 2011 apontou como culpado de abusar de meninos em Santiago nos anos 1970 e 1980. Hoje com 87 anos e morando em uma casa de repouso no Chile, ele sempre negou qualquer delito.

Vítimas acusaram o bispo Juan Barros de Osorno de ter testemunhado os abusos sem fazer nada para impedi-los. Barros, um dos que ofereceram a renúncia, negou as alegações.

O comunicado desta quinta-feira do Vaticano ainda disse que o papa está preparando uma carta a respeito do escândalo endereçada a todos os católicos chilenos.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade