PUBLICIDADE

Pai e filho são condenados por ajudar na fuga de Carlos Ghosn

Norte-americanos admitiram papel em plano de fuga do Japão

19 jul 2021 11h25
| atualizado às 11h40
ver comentários
Publicidade

Os norte-americanos Michael Taylor, 60 anos, e Peter Taylor, 28, foram condenados nesta segunda-feira (19) a prisão por um tribunal de Tóquio por terem ajudado o ex-executivo Carlos Ghosn a fugir do Japão em 2019.

Taylors ajudaram Ghosn a fugir do Japão para a Turquia em 2019
Taylors ajudaram Ghosn a fugir do Japão para a Turquia em 2019
Foto: EPA / Ansa - Brasil

Enquanto Michael pegou dois anos de detenção, Peter precisará cumprir um ano e oito meses de pena.

Pai e filho haviam admitido a culpa em seu depoimento às autoridades japonesas em junho deste ano. Eles cumprirão a decisão judicial no país asiático.

"Esse foi um crime grave. Os dois acusados conseguiram com sucesso uma fuga ao exterior sem precedentes e tiveram um papel proativo nesta operação", disse o juiz Hideo Nirei, ao negar o pedido da defesa de trocar a detenção por penas alternativas.

Ainda conforme a Justiça, os Taylors receberam mais de US$ 860 mil para fazer a fuga e US$ 500 mil em bitcoins para pagar as despesas com advogados.

Eles foram os responsáveis por transportar o ex-CEO da Renault-Nissan da casa dele da capital japonesa para um hotel na mesma cidade. De lá, foram para Osaka e esconderam Ghosn em uma caixa para instrumentos musicais - que foi embarcada em um jato privado para a Turquia. Do território turco, o empresário foi para o Líbano.

Toda a trama foi feita enquanto Ghosn estava em prisão domiciliar após passar alguns meses na prisão. O ex-CEO é acusado de vários crimes financeiros e fiscais enquanto estava à frente da empresa. Atualmente, no processo aberto contra ele pela montadora, há o pedido de ressarcimento de US$ 95 milhões por "conduta inapropriada e atividades fraudulentas".

Já os Taylors foram presos nos EUA em maio de 2020 e extraditados para o Japão em março deste ano após todos os recursos contra as medidas terem sido rejeitados pelas instâncias judiciais norte-americanas. .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade