0

Rebeldes sírios detêm 20 observadores da ONU perto de Golã

6 mar 2013
15h34
atualizado às 15h38

Rebeldes sírios mantêm 20 observadores da ONU de nacionalidade filipina detidos em uma região do sul da Síria próxima às Colinas de Golã, ocupados por Israel desde 1967, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Em declaração à Agência Efe, o presidente da associação, Rami Abdul Rahman, disse que uma brigada de insurgentes deteve os observadores e condicionou sua libertação a que as forças do regime sírio se retirem dos arredores da aldeia de Yumla, ocupada há alguns dias pelos rebeldes após fortes combates.

A chamada Brigada dos Mártires de Yarmouk acusou os cidadãos filipinos de ajudar as forças governamentais sírias a ir para as proximidades de Yumla, ocupada há três dias pelos rebeldes após intensos combates.

Em um vídeo postado na internet, um porta-voz dos insurgentes, que aparece diante de dois carros da missão da ONU, deu 24 horas de prazo para que se cumpram seus pedidos e, caso contrário, ameaçou passar a tratar aos observadores como prisioneiros.

Os observadores filipinos são membros da missão internacional que supervisiona o cumprimento do cessar-fogo entre Israel e Síria nas Colinas de Golã.

Segundo o Observatório, Yumla foi tomada pelos rebeldes no domingo passado após intensos choques contra as forças leais ao presidente sírio, Bashar al Assad, que causaram a morte de pelo menos 11 insurgentes e 19 soldados do regime.

EFE   

compartilhe

publicidade