2 eventos ao vivo

Ban pede 'liberdade de movimento' a observadores da ONU na Síria

9 mar 2013
14h46
atualizado às 14h49

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, comemorou neste sábado a libertação dos 21 observadores capturados na quarta-feira por rebeldes nas Colinas de Golã, mas exigiu que as partes envolvidas no conflito sírio respeitem a liberdade de movimento de seus funcionários.

Ban afirmou em um comunicado que "aprecia os esforços de todos os que contribuíram para garantir" a libertação dos 21 observadores filipinos, levados à Jordânia.

"O secretário-geral insiste na imparcialidade dos observadores. Pede que todas as partes respeitem a liberdade de movimento da UNDOF (a Força das Nações Unidas de Observação de Separação) e a segurança de seus funcionários", enfatizou Ban na nota.

Na sexta-feira, fracassou uma primeira tentativa de tirar os observadores de Jamla, onde estavam detidos, devido a um bombardeio do Exército sírio.

No entanto, o regime do presidente Bashar al-Assad aceitou uma breve trégua para a retirada dos observadores, encarregados de supervisionar o cessar-fogo entre Israel e Síria assinado em 1974.

A UNDOF, mobilizada no ano em que foi assinado o cessar-fogo, conta com 1.100 soldados e funcionários procedentes de Áustria, Croácia, Índia, Japão e Filipinas.

Desde 1967, Israel ocupa cerca de 1.200 km2 das Colinas de Golã, anexadas ao seu território em 1981, decisão que nunca foi reconhecida pela comunidade internacional. A Síria segue controlando os 510 km2 restantes.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 

compartilhe

publicidade