3 eventos ao vivo

Ao menos 13 foram mortos em ataque suicida no Afeganistão

Atentado aconteceu perto de um centro educacional na capital afegã

24 out 2020
12h34
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

CABUL - Ao menos 13 pessoas morreram e 30 ficaram feridas neste sábado, 24, por conta da explosão de uma bomba perto de um centro educacional em Cabul, capital do Afeganistão, segundo o Ministério do Interior. O ataque ocorreu perto de um centro de treinamento para estudantes, no oeste da capital afegã, declarou Tareq Arian, porta-voz do Ministério.

Ataque suicida no setor oeste de Cabul deixa ao menos 13 mortos na capital afegã  Foto: Mohammad Ismail/REUTERS
Ataque suicida no setor oeste de Cabul deixa ao menos 13 mortos na capital afegã Foto: Mohammad Ismail/REUTERS
Foto: Reuters

"Um kamikaze que queria entrar no centro educacional foi identificado pelos guardas. Ele se explodiu no caminho que conduz ao centro, antes de poder entrar", detalhou. O porta-voz informou que relatórios preliminares apontam que 13 pessoas morreram e outras 30 foram feridas.

Um vídeo feito no local do ataque e compartilhado nas redes sociais mostra vários corpos cobertos por mantas em uma estrada de terra, enquanto os feridos são transportados para fora do local. Um funcionário do centro confirmou que a explosão ocorreu no estacionamento do centro.

Um porta-voz do Taleban negou no Twitter a responsabilidade pelo ataque, que ocorreu em um momento delicado, quando equipes dos insurgentes e do governo se reúnem no Catar para buscar um acordo de paz, mesmo com o aumento da violência e a retirada das tropas dos Estados Unidos.

O oeste de Cabul é povoado principalmente por hazaras, uma etnia quase exclusivamente xiita, que é frequentemente atacada pelo grupo Estado Islâmico. O Afeganistão registra um aumento da violência, enquanto os talibãs e o governo começaram em setembro negociações em Doha para encerrar décadas de guerra, até o momento sem grandes avanços.

Na mesma área de Cabul, dezenas de estudantes morreram em um ataque a outro centro educacional em 2018, enquanto em maio homens armados atacaram uma maternidade, matando 24, incluindo mães e bebês. /AFP e Reuters

Veja também:

Trabalhadoras de fábricas indianas que produzem para grandes marcas alegam exploração e abusos
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade