PUBLICIDADE

Opositor russo Navalny diz que comissão prisional o considera terrorista

11 out 2021 10h17
ver comentários
Publicidade

Crítico do Kremlin atualmente preso, Alexei Navalny disse nesta segunda-feira que uma comissão prisional o designou como extremista e terrorista, mas que oficialmente não aponta mais um risco de fuga.

Líder opositor russo Alexei Navalny durante protesto em Moscou
29/09/2019 REUTERS/Shamil Zhumatov
Líder opositor russo Alexei Navalny durante protesto em Moscou 29/09/2019 REUTERS/Shamil Zhumatov
Foto: Reuters

Navalny disse no Instagram que foi convocado perante uma comissão que votou unanimemente a favor da mudança de designação.

Esta representa uma nova escalada na pressão oficial contra o crítico doméstico mais proeminente do presidente Vladimir Putin, que cumpre dois anos e meio de prisão por violações de condicional que ele diz terem sido fabricadas para frustrar suas ambições políticas.

Navalny desdenhou o anúncio, dizendo que saúda o fato que não é mais considerado alguém inclinado a fugir e que por isso será sujeitado a vistorias noturnas menos frequentes e rigorosas dos carcereiros.

"Só que agora há um sinal acima do meu beliche dizendo que sou um terrorista", disse Navalny na postagem, publicada com ajuda de seus advogados.

As autoridades russas não confirmaram de imediato a mudança de designação de Navalny, e o Serviço Penitenciário Federal (FSIN) não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

O movimento político de Navalny sofreu um golpe em junho, quando um tribunal considerou suas atividades extremistas. Muitos de seus aliados foram alvos de buscas domiciliares ou de restrições de circulação, e alguns fugiram para o exterior. No mês passado, a Rússia iniciou um novo processo criminal contra Navalny que poderia mantê-lo preso durante mais uma década.

(Da redação de Moscou)

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759)) REUTERS ES

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade