2 eventos ao vivo

Operações de Segurança deixam 1.300 mortos na Venezuela em 5 meses, diz órgão da ONU para direitos humanos

2 jul 2020
18h09
atualizado às 18h21
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Operações de Segurança na Venezuela mataram pelo menos 1.324 pessoas nos primeiros cinco meses de 2020, afirmou o Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas para os Direitos Humanos nesta quinta-feira.

A alta comissária da ONU, Michelle Bachelet. 30/06/2020. REUTERS/Denis Balibouse.
A alta comissária da ONU, Michelle Bachelet. 30/06/2020. REUTERS/Denis Balibouse.
Foto: Reuters

A alta comissária Michelle Bachelet, que apresentou um relatório de 17 páginas sobre a Venezuela em Genebra disse ainda estar "preocupada com os altos números de mortes de jovens pelas forças de Segurança", em referência às pessoas que teriam morrido enquanto resistem às autoridades. 

Os dados oficiais da Venezuela mostram 6.710 homicídios em 2019 e 1.363 entre janeiro e maio deste ano. 

Os dados "não incluem as mortes violentas no contexto de operações de Segurança classificadas como 'resistência à autoridade'", afirmou a ex-presidente do Chile. 

Das mortes em operações de Segurança em 2020, pelo menos 432 foram atribuídas à unidade das forças policiais especiais Faes, 366 à polícia investigativa conhecida como CICPC, 136 à Guarda Nacional e 124 à polícia do Estado de Zulia, diz o relatório. 

Jorge Valero, embaixador venezuelano na ONU e em outras organizações internacionais em Genebra, disse que o relatório era baseado em "questionamentos infundados" com o objetivo de "abastecer a agenda de agressão que se desdobra contra a Venezuela". 

Veja também:

Explosão no Líbano: BBC visita epicentro do desastre no porto de Beirute
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade