PUBLICIDADE

Australiano de 91 anos é julgado por tráfico internacional

12 ago 2015 06h11
| atualizado às 07h35
ver comentários
Publicidade

Um cirurgião aposentado de 91 anos pode ser condenado à prisão perpétua por tráfico de drogas na Austrália, embora autoridades suspeitem que ele estivesse desavisado. Victor Twartz, de Sydney, foi flagrado com 4,5 kg de cocaína ao embarcar de Nova Délhi, na Índia, de volta à sua casa em 8 de julho. Na bagagem de Twartz, foram encontradas 27 barras de sabonetes que testaram positivo para a substância.

Polícia suspeita que ex-cirurgião possa ter sido "mula" desavisada
Polícia suspeita que ex-cirurgião possa ter sido "mula" desavisada
Foto: Reprodução/ABC

Estima-se que o valor da droga chegue a mais de US$ 1 milhão (cerca de R$ 3,47 milhões). O ex-cirurgião foi solto sob fiança após audiência num tribunal de Sydney na terça-feira. O julgamento deverá ser retomado em 6 de outubro.

Twartz disse à rede de TV australiana ABC ter encontrado pessoas em Nova Délhi que tinha conhecido pela internet. Pouco antes de embarcar de volta a Sydney, disse ter recebido uma bagagem que teria presentes para alguém na Austrália. "Era sabonete - eu abri e esfreguei e, com certeza, era sabonete, mas havia umas faixas brancas que, me disseram, era cocaína", disse.

A polícia não informou se Twartz era um "mula" desavisada, mas disse que por "um longo período" ele foi aliciado por um grupo organizado por emails e nas redes sociais, construindo um "relacionamento" com ele.

Pacote com 27 barras de sabonetes com cocaína foi apreendido em bagagem em Sydney
Pacote com 27 barras de sabonetes com cocaína foi apreendido em bagagem em Sydney
Foto: Polícia Federal Australiana/AP

O comandante David Stewart, da Polícia Federal Australiana, alertou turistas para os riscos de se tornarem atravessadores de drogas. "Se você trouxer drogas para a Austrália, sabendo ou não, será tratado da mesma maneira", disse Stewart em uma entrevista coletiva. "Não importa a sua idade, você poderá ser vítima de exploração por estes grupos criminosos."

 

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Publicidade
Publicidade