PUBLICIDADE

MP pede arquivamento de ação sobre morte de testemunha contra Berlusconi

Imane Fadil morreu em março de 2019 aos 34 anos

28 out 2021 14h26
| atualizado às 14h32
ver comentários
Publicidade

A Procuradoria de Milão pediu nesta quinta-feira (28) o arquivamento da ação que investigava 12 médicos pela morte da modelo marroquina Imane Fadil, ocorrido em março de 2019.

Imane Fadil alegava ter sofrido 'tentativas de corrupção'
Imane Fadil alegava ter sofrido 'tentativas de corrupção'
Foto: Ansa / Ansa - Brasil

A mulher de 34 anos foi uma das testemunhas de acusação em um dos processos que investiga o ex-premiê Silvio Berlusconi por corrupção em atos judiciários, no âmbito do caso "Ruby ter".

Segundo o pedido do MP, uma perícia realizada sobre a morte mostrou que os médicos do hospital Humanitas, de Rozzano, não tiveram nenhuma responsabilidade sobre o óbito e confirmou que a modelo morreu por uma doença rara, um tipo de aplasia da medula óssea. O diagnóstico ocorreu três dias antes do falecimento de Fadil, que ficou internada por cerca de um mês.

"Não se constata nenhuma responsabilidade profissional a ser imputada sob o perfil penal contra os médicos investigados. Não se constata como uma gestão clínica diferente da que ocorreu poderia, sem dúvida, ter evitado a morte", destacou a líder do grupo de médicos legistas convocados pela justiça, Cristina Cattaneo.

A família ainda pode recorrer da decisão da Procuradoria e, se entrar com pedido, uma audiência preliminar deve ser marcada.

Por meses, a morte de Fadil foi colocada sob suspeita por conta de um possível homicídio porque algumas análises iniciais sugeriram que teria ocorrido um envenenamento com substâncias radioativas. No entanto, por duas vezes, perícias mostraram que a causa da morte foi a doença rara.

Em Milão, assim como ocorre em Roma, Berlusconi é investigado por supostamente ter pago a testemunhas para que elas ocultassem informações durante as audiências do caso Ruby em sua primeira e segunda "versões". Em Siena, onde havia um processo semelhante, o ex-premiê foi absolvido. .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade