0

Morre Vincent Lambert, símbolo da defesa da eutanásia

Francês estava em estado vegetativo desde um acidente em 2008

11 jul 2019
08h32
atualizado às 11h26
  • separator
  • 0
  • comentários

O francês Vincent Lambert, um paciente em estado vegetativo há mais de 10 anos, que se tornou um símbolo do debate sobre o fim da vida na França, faleceu nesta quinta-feira (11), informou sua família.

Morre Vincent Lambert, símbolo do debate sobre eutanásia na França
Morre Vincent Lambert, símbolo do debate sobre eutanásia na França
Foto: ANSA / Ansa

A morte ocorreu após os médicos decidirem "interromper os tratamentos" e retirarem o suporte vital do francês de 42 anos, em estado vegetativo desde 2008, quando sofreu um acidente de moto, depois de uma nova decisão judicial. "Vincent morreu esta manhã às 8h24 no hospital de Reims" (nordeste da França), afirmou seu sobrinho François Lambert, que expressou "alívio após anos de sofrimento para todo mundo".

Os pais do paciente, Jean e Viviane Lambert, conduziram uma árdua batalha legal para impedir que a vida de seu filho fosse interrompida. Na última segunda-feira (8), eles realmente se renderam, chamando a morte de Vincent de "inevitável". O caso se tornou símbolo de um debate em torno da eutanásia na França, principalmente por provocar uma batalha dos pais, ambos católicos, contra a justiça, enquanto seus irmãos e sua esposa, Rachel, eram favoráveis à interrupção do tratamento.

Em maio passado, após uma longa batalha judicial, os médicos do Hospital de Reims, onde o paciente estava internado, decidiram suspender sua alimentação, o que causaria sua morte, mas um recurso na Justiça impediu a ortotanásia (eutanásia passiva).

Na ocasião, o Vaticano chegou a criticar a interrupção das terapias paliativas para Lambert. No entanto, com a nova decisão da justiça francesa, o suporte vital foi desligado. O processo está previsto por uma lei em vigor na França desde 2005 que veta a "persistência terapêutica" e, embora não autorize a eutanásia ativa, permite que tratamentos sejam suspensos em determinados casos.

Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade