2 eventos ao vivo

Ministra 'demite' chefe do serviço secreto alemão

Oficialmente, porém, governo diz que Gramm foi aposentado

24 set 2020
13h49
atualizado às 13h55
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A ministra da Defesa da Alemanha, Annegret Kramp-Karrenbauer "demitiu" o presidente do Serviço de Contrainteligência Militar (MAD, na sigla em alemão), Christof Gramm, ainda por conta do escândalo sobre a ligação de soldados alemães com grupos de extrema-direita. No entanto, oficialmente, Gramm recebeu sua aposentadoria.

Christof Gramm estava no cargo desde 2015
Christof Gramm estava no cargo desde 2015
Foto: EPA / Ansa - Brasil

A decisão, segundo conta a mídia do país, foi tomada após uma longa reunião nesta quinta-feira (24) entre o chefe dos serviços secretos e a ministra em Berlim. A agência DPA informa que o afastamento teria sido uma decisão amigavelmente aceita entre os dois. Já o "Der Spiegel" pontua que Kramp-Karrenbauer exigiu que Gramm deixasse o cargo que ocupava desde 2015.

Ainda conforme o site jornalístico, a ministra ressaltou que o MAD "não podia mais se dar ao luxo" de cometer mais erros no afastamento dos militares ligados aos ultranacionalistas. Para a política, o serviço secreto "investigou os soldados suspeitos de maneira muito frouxa e demorou muito para investigar possíveis redes".

Parlamentares também pediam pela saída de Gramm. Em entrevista o "Der Spiegel", o líder dos Verdes, Konstantin von Notz, acrescentou que "a substituição era inevitável depois de tantos contratempos e ocorrências estranhas", mas que não duvida da "integridade moral" do agora ex-líder.

A crise na elite das Forças Armadas alemãs ocorre já há, pelo menos três anos, com dezenas de militares processados por participarem de grupos extremistas ou de treinarem.

No entanto, esse assunto voltou a ganhar as manchetes em julho deste ano quando Kramp-Karrenbauer anunciou a dissolução parcial da unidade de elite Kommando Spezialkräfte (KSK) por conta das inúmeras ligações de membros da força com extremistas. .
   

Veja também:

Último debate entre Trump e Biden tem tom mais ameno, mas com troca de acusações; veja destaques
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade