4 eventos ao vivo

Líder de maior sigla da centro-esquerda italiana formaliza saída

Zingaretti se disse cansado por aliados só falarem de cargos

5 mar 2021
14h50
atualizado às 15h32
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O secretário do Partido Democrático (PD), Nicola Zingaretti, formalizou seu pedido de demissão do cargo em uma carta enviada à presidente da sigla, Valentina Cuppi, nesta sexta-feira (5). Agora, a italiana informou que aguardará para dar os próximos passos na assembleia nacional que será realizada nos dias 13 e 14 de março.

Zingaretti formalizou seu pedido de renúncia do cargo de secretário do PD
Zingaretti formalizou seu pedido de renúncia do cargo de secretário do PD
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

"Eu celebro verdadeiramente que há uma discussão franca com a vontade de reconstruir, de enfrentar os problemas do país e comemoro que seja feita por todos e todas com grande senso de responsabilidade nas relações do partido e do país", disse Cuppi ao convocar a nova assembleia.

Zingaretti anunciou sua decisão de deixar o posto na quinta-feira (4) em uma postagem no Facebook por dizer que sentia "vergonha" em ver que os correligionários estão apenas discutindo cargos políticos nos últimos 20 dias e não debatendo temas de interesse do país. O desabafo referia-se ao período desde a posse do premiê Mario Draghi, em que o PD faz parte da base de apoio.

O anúncio pegou de surpresa todos os membros da sigla, que é a maior da centro-esquerda italiana, e desde então, diversos expoentes tentam convencer Zingaretti a abandonar a ideia. Mais cedo, o vice-secretário Andrea Orlando havia dito a aliados que um grupo está tentando fazer o atual secretário a permanecer no cargo.

Publicamente, vários políticos e governadores manifestaram seu apoio à "lealdade" e ao trabalho desenvolvido por Zingaretti nos últimos dois anos e pediram que todos reflitam sobre o momento atual da sigla. No entanto, ainda não está claro o que acontecerá com o futuro do partido. .
   

Veja também:

O que pensam os monges budistas que apoiam o golpe militar em Mianmar
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade