0

Jovem usa app para transformar obras de arte 'carrancudas' em sorridentes

17 mai 2017
18h22
atualizado às 18h50
  • separator
  • comentários

O designer britânico Olly Gibbs havia notado que, nas obras de arte, as pessoas costumam ser retratadas com uma expressão sóbria e entristecida. Que tal, então, "animar" alguns dos retratos?

Foto: BBCBrasil.com

Essa foi a ideia que ele teve ao visitar o museu Rijksmuseum, em Amsterdã.

Usando o "FaceApp" - aplicativo que usa um software de reconhecimento facial para fazer com que rostos pareçam mais velhos ou mais novos ou similares aos de outras pessoas -, ele passou a transformar os retratos que via.

Foto: BBCBrasil.com

O aplicativo consegue "fazer" uma pessoa sorrir. Assim, Olly Gibbs conseguiu mudar a expressão triste dos retratos para rostos sorridentes. O resultado ele divulgou pelo Twitter.

A brincadeira foi idealizada durante um passeio pela capital holandesa.

"Havia tirado uma foto ao lado da minha namorada, com um visual lindo de Amsterdã no fundo. Mas eu saí rindo, porque tenho medo de altura. Aí ela me disse que havia um aplicativo que poderia transformar minha careta em um sorriso normal", contou Gibbs ao jornal holandês deVerdieping Trouw .

Foto: BBCBrasil.com

Depois disso, o casal visitou o Rijksmuseum e decidiu aplicar os mesmos sorrisos nos rostos nada alegres que viu por lá.

"Minha namorada achou que seria engraçado dar uma animada neles", disse Gibbs. "Passamos um bom tempo no museu procurando pelos rostos mais carrancudos."

Foto: BBCBrasil.com

Não foi uma tarefa difícil - boa parte dos retratos expostos no museu tinha expressões bastante desanimadas. E por que não aplicar a mesma ideia a esculturas também?

"Quem sabe a moda pega? Eu ficaria feliz se essa brincadeira ajudasse a atrair mais gente para os museus", agregou.

Foto: BBCBrasil.com
Foto: BBCBrasil.com
BBCBrasil.com BBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL.com.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade