PUBLICIDADE

'Johnny Depp me agrediu em lua de mel', diz Amber Heard

A atriz diz não saber se sobreviveria se o casamento continuasse

16 mai 2022 18h00
| atualizado às 18h53
ver comentários
Publicidade
Amber Heard presta depoimento em tribunal dos EUA
Amber Heard presta depoimento em tribunal dos EUA
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Amber Heard temia que seu ex-marido Johnny Depp a matasse acidentalmente durante uma suposta agressão em sua lua de mel, segundo declaração feita por ela em um tribunal dos Estados Unidos.

Testemunhando em um caso de difamação que Depp abriu contra ela, a atriz Amber Heard, de 36 anos, pintou o ator como um abusador atormentado pelo vício em drogas, ciúme e automutilação.

Depp está processando Heard em US$ 50 milhões pelo artigo escrito por ela sobre ter sido vítima de violência doméstica. Ele negou repetidamente qualquer abuso.

O caso está em andamento na Virgínia, nos EUA, e foi retomado pela quinta semana após uma pausa, antes da qual Depp havia contado seu lado da história e Heard havia começado alguns de seus depoimentos.

No tribuna, Heard disse em lágrimas aos jurados que acreditava que provavelmente "não sobreviveria" se continuasse casada com Depp, 58.

"Eu estava com tanto medo de que isso acabasse muito mal para mim", disse ela. "Eu realmente não queria deixá-lo. Eu o amava muito."

Heard acusou Depp de repetidos casos de abuso físico. Na segunda-feira, ela alegou que ele a atacou enquanto estava a bordo do trem Orient Express na Ásia após seu casamento em fevereiro de 2015, alegando que ele a atingiu e a segurou pelo pescoço enquanto estava no compartimento de dormir.

"Ele estava apertando meu pescoço contra o vagão de trem pelo que pareceu muito tempo", disse a atriz.

Ela afirmou que chegou a pensar que ele poderia matá-la. "Lembro-me de ter medo de que ele não quisesse fazer isso", disse ela.

Em outro caso, Heard descreveu uma "semana infernal" depois que Depp supostamente ficou com ciúmes depois que ela foi oferecida para um papel com James Franco. Ela alegou que ele a socou e a jogou contra os móveis.

O interrogatório dos advogados de Depp deve começar ainda nesta segunda-feira (16/05).

Embora Heard tenha dito que o casamento foi "às vezes, muito amoroso", ele se deteriorou ao longo do tempo a um ponto em que a tensão e a violência se tornaram "quase normais". Eles se divorciaram em 2017, depois de dois anos.

Durante suas discussões cada vez mais frequentes, Heard afirmou que Depp frequentemente se automutilava.

"Nas lutas, muitas vezes ele cortava os braços ou segurava a faca no peito ou tirava sangue, superficialmente no início", disse ela. "Ele também apagou cigarros em si mesmo."

Em seu próprio depoimento no início do julgamento, Depp disse que nunca bateu em Heard e disse aos jurados que ela tinha "necessidade" de conflito e violência.

Na segunda-feira, os jurados ouviram vários clipes de áudio do ex-casal discutindo. Em um clipe - que se tornou viral antes do julgamento - Heard pode ser ouvida dizendo que bateu em Depp.

"Eu estava batendo em você. Eu não estava socando você", ela pode ser ouvida dizendo. "Você não recebeu um soco."

De acordo com Heard, ela às vezes batia "reativamente" em Depp e afirmava que estava se referindo à "disparidade" de sua força.

O caso de difamação contra Heard decorre de um artigo de 2018 que ela escreveu para o Washington Post, no qual ela se caracterizava como vítima de abuso. O texto não nomeou Depp.

Seus advogados, no entanto, disseram que o artigo "incalculavelmente" prejudicou sua reputação e carreira. Ela o processou de volta por US$ 100 milhões.

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Publicidade
Publicidade