PUBLICIDADE

Itália tem 1.723 casos e 52 mortes por Covid em 24h

Ministro da Saúde pediu cautela durante reabertura na segunda(14

12 jun 2021 12h38
| atualizado às 12h53
ver comentários
Publicidade

A Itália registrou 1.723 novos casos e 52 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, elevando para 4.243.482 contágios e 126.976 óbitos desde o início da pandemia, informou o Ministério da Saúde neste sábado (12).

Itália colocará 13 das 20 regiões na faixa branca, a mais branda
Itália colocará 13 das 20 regiões na faixa branca, a mais branda
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

Os dados mantêm a tendência de queda na curva epidemiológica da emergência sanitária e representam uma redução nos números de falecimentos e infecções em comparação com a mesma data da semana passada. No último sábado (5), foram registrados 57 vidas perdidas e 2.436 novos diagnósticos da doença.

Os casos ativos, que desconsideram as curas e as mortes, baixaram para 162.409. Destes, 158.180 estão em isolamento domiciliar, 3.655 internados em diversos departamentos médicos e 574 em unidades de terapia intensiva (UTIs).

Ao todo, foram realizados 212.966 testes para detecção de doença, cerca de 5 mil a menos do que na sexta-feira. A taxa de positividade é de 0,8%.

Ainda de acordo com o balanço, a Itália contabiliza 3.954.097 pessoas consideradas recuperadas da Covid-19. Por conta do controle da emergência sanitária, a partir da próxima segunda-feira (14), 13 das 20 regiões italianas estarão na zona branca, a mais branda do sistema de medidas protetivas.

Hoje, o ministro da Saúde, Roberto Speranza, lembrou que na próxima semana mais de 40 milhões de italianos estarão na "zona branca", porque a Itália atualmente tem um dos melhores dados europeus sobre incidência da Covid-19, além de pedir cautela a todos os cidadãos.

"É um resultado encorajador que nos permite olhar para a frente com mais confiança. Devemos insistir neste caminho com prudência e gradação. Hoje, mais do que nunca, é preciso manter os hábitos corretos para não frustrar os tantos sacrifícios feitos", afirmou Speranza.

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade