PUBLICIDADE

Israel tenta ganhar tempo com expulsões de Jerusalém

9 mai 2021 13h11
ver comentários
Publicidade

O procurador-geral de Israel garantiu o adiamento, neste domingo, de uma audiência sobre as expulsões planejadas de palestinos em Jerusalém, uma sessão que ameaçou provocar mais violência na cidade sagrada e aumentar a preocupação internacional.

O governo agora pode ter algum espaço para respirar para tentar acalmar uma situação explosiva em Jerusalém, onde o processo judicial e os atritos durante o mês sagrado muçulmano do Ramadã levaram a confrontos entre palestinos e policiais israelenses.

A Suprema Corte israelense deveria na segunda-feira ouvir apelações contra os despejos planejados de várias famílias palestinas do bairro Sheikh Jarrah em Jerusalém Oriental, uma área capturada por Israel em uma guerra de 1967.

Um tribunal de primeira instância decidiu a favor da reivindicação dos colonos judeus sobre as terras nas quais as casas dos palestinos estão localizadas, uma decisão vista pelos palestinos como uma tentativa de Israel de expulsá-los de Jerusalém contestada.

Mas em um movimento legal de última hora, os apelantes pediram ao tribunal para buscar uma opinião legal do procurador-geral Avichai Mandelblit, abrindo caminho para a sessão de segunda-feira ser adiada e a possibilidade de ele argumentar contra os despejos.

Um porta-voz de Mandelblit disse que o tribunal concordou em receber uma futura petição do procurador-geral e que uma nova sessão seria marcada dentro de 30 dias.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade