PUBLICIDADE

Mundo

Israel reduz tropas no sul de Gaza e Egito sediará novas negociações

7 abr 2024 - 12h15
(atualizado em 10/4/2024 às 14h42)
Compartilhar
Exibir comentários

Israel disse neste domingo que retirou mais soldados do sul de Gaza, deixando apenas uma brigada, enquanto o país e o Hamas enviavam equipes ao Egito para novas negociações sobre um potencial cessar-fogo no conflito de seis meses.

Israel tem reduzido os números em Gaza desde o início do ano para aliviar os reservistas e está sob pressão crescente do seu aliado Washington para melhorar a situação humanitária, especialmente depois do assassinato de sete trabalhadores humanitários na semana passada.

O porta-voz militar não deu detalhes sobre os motivos da retirada dos soldados ou o número de envolvidos.

Tanto Israel como o Hamas, o movimento islâmico que controla Gaza, confirmaram que estavam enviando delegações ao Egito.

Mas o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, advertiu que Israel não se curvará à pressão externa e não cederá a "exigências extremas".

"Netanyahu ainda está tentando se salvar do fracasso e da responsabilidade no dia seguinte à batalha. Parece que a pressão dos EUA não é suficiente para obrigá-lo a buscar um cessar-fogo completo e abrangente", disse um líder do Hamas, Basem Naim.

O Hamas afirma que um acordo deve garantir um cessar-fogo completo e abrangente, a retirada total das forças das áreas ocupadas após 7 de outubro e a liberdade de circulação dos residentes em toda a Faixa de Gaza.

Mais de 250 reféns foram feitos e cerca de 1.200 pessoas mortas durante o ataque do Hamas em 7 de outubro, segundo registros israelenses. Mais de 33.100 palestinos foram mortos na ofensiva israelense, segundo o ministério da saúde de Gaza.

Não estava claro se a redução de tropas no sul de Gaza atrasaria uma incursão na cidade de Rafah, há muito ameaçada, que Netanyahu diz ser necessária para eliminar o Hamas, mas que potências estrangeiras disseram que poderia causar um impacto inaceitável sobre os civis.

O porta-voz de segurança nacional da Casa Branca, John Kirby, disse que a redução das tropas parecia ser um "descanso e reequipamento" e não necessariamente um indicativo de quaisquer novas operações.

Residentes palestinos da cidade de Khan Younis, no sul de Gaza, que tem sido bombardeada por Israel nos últimos meses, disseram ter visto as forças israelenses deixando o centro da cidade e recuando para os distritos orientais.

Israel está sob pressão crescente dos Estados Unidos, onde o presidente Joe Biden exigiu que melhorasse as condições humanitárias em Gaza e trabalhasse para um cessar-fogo, dizendo que o apoio dos EUA poderia depender disso.

Foi a primeira vez que Biden, um firme apoiador de Israel, procurou alavancar a ajuda dos EUA como forma de influenciar o comportamento militar israelita. Os EUA são um importante fornecedor de armas aos militares de Israel.

Netanyahu, no início da sua reunião semanal de gabinete, disse que qualquer acordo deve incluir a libertação dos reféns ainda detidos em Gaza, e que as exigências irracionais do Hamas eram o obstáculo.

"Ceder às exigências do Hamas permitirá a eles repetir os crimes de 7 de outubro uma e outra vez, como prometeu fazer", disse ele.

Mais de 130 reféns ainda estão em cativeiro em Gaza e Israel afirma que não irá parar a sua ofensiva até que todos sejam devolvidos.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade