1 evento ao vivo

Israel propõe pagar imigrantes africanos para deixar o país

3 jan 2018
11h38
atualizado às 12h05
  • separator
  • comentários

Israel disse nesta quarta-feira que pagará para que milhares de imigrantes africanos ilegais deixem o país, ameaçando prendê-los se forem pegos após o fim de março.

Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, fala com repórteres em Bruxelas, na Bélgica 11/12/2017 REUTERS/Francois Lenoir
Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, fala com repórteres em Bruxelas, na Bélgica 11/12/2017 REUTERS/Francois Lenoir
Foto: Reuters

Em comentários públicos feitos durante uma reunião de gabinete a respeito do programa de pagamentos, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse que uma barreira que Israel finalizou em 2013 ao longo de sua fronteira com o Egito interrompeu um fluxo de "infiltradores ilegais" da África, depois de cerca de 60 mil deles cruzarem a divisa no deserto.

A grande maioria vinha da Eritreia e do Sudão, e muitos disseram ter fugido da guerra e da perseguição, além da penúria econômica, mas Israel os trata como imigrantes econômicos.

O plano lançado nesta semana oferece aos imigrantes africanos um pagamento de 3.500 dólares do governo e uma passagem aérea gratuita para que voltem para casa ou para "terceiros países", que grupos de direitos humanos identificaram como Ruanda e Uganda.

"Expulsamos cerca de 20 mil, e agora a missão é retirar o resto", disse Netanyahu.

Uma autoridade da imigração, falando sob condição de anonimato, disse haver cerca de 38 mil imigrantes morando ilegalmente em Israel, e que cerca de 1.420 estão sendo mantidos em dois centros de detenção.

"Depois do final de março, aqueles que partirem voluntariamente receberão um pagamento significativamente menor que encolherá cada vez mais, e medidas de aplicação da lei terão início", explicou o funcionário, referindo-se ao encarceramento

Alguns moram no país há anos e realizam trabalhos mal remunerados que muitos israelenses evitam. O Estado judeu concedeu asilo a menos de 1 por cento daqueles que o solicitaram, e tem anos de defasagem no processamento de pedidos.

Veja também:

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade