PUBLICIDADE

Irã diz que negociações nucleares serão retomadas "muito em breve", mas não dá data

24 set 2021 16h51
ver comentários
Publicidade

O Irã retornará às negociações para a retomada do cumprimento do acordo nuclear com de 2015 "muito em breve", disse a repórteres nesta sexta-feira o ministro das Relações Exteriores iraniano, Hossein Amirabdollahian, mas ele não deu uma data específica.

23/05/2021
REUTERS/Leonhard Foeger
23/05/2021 REUTERS/Leonhard Foeger
Foto: Reuters

"A República Islâmica do Irã retornará à mesa de negociações. Estamos revisando os arquivos das negociações de Viena e, muito em breve, as negociações do Irã com os países 'quatro mais um' serão reiniciadas", disse Amirabdollahian.

Ele se referia às negociações iniciadas em abril entre o Irã e as outras cinco nações ainda no acordo de 2015 -Reino Unido, China, França, Alemanha e Rússia. Diplomatas europeus serviram como intermediários principais entre Washington e Teerã, que se recusou a negociar diretamente com as autoridades norte-americanas.

O Ministério das Relações Exteriores iraniano disse na terça-feira que as negociações em Viena seriam retomadas em algumas semanas, segundo a agência de notícias oficial iraniana Irna.

O chefe da política externa da União Europeia, Josep Borrell, que se encontrou com Amirabdollahian em Nova York, disse na sexta-feira que também esperava que o Irã retornasse às negociações em breve, acrescentando que está "otimista" sobre as perspectivas para o acordo nuclear.

Sob o acordo, o Irã restringiu seu programa de enriquecimento de urânio, um caminho possível para armas nucleares, em troca do levantamento de sanções econômicas. Em 2018, o então presidente norte-americano, Donald Trump, retirou os Estados Unidos do acordo e voltou a impor as sanções, o que abalou a economia iraniana e levou o Irã a tomar medidas para violar seus limites nucleares.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade