PUBLICIDADE

Irã acrescenta exigências em negociação nuclear e enriquecimento é "alarmante", diz enviado dos EUA

5 jul 2022 - 11h31
Ver comentários
Publicidade

O Irã acrescentou demandas não relacionadas às discussões sobre seu programa nuclear durante as últimas conversas e fez progressos alarmantes no enriquecimento de urânio, disse o enviado dos Estados Unidos para as negociações sobre a retomada de um acordo nuclear com a República Islâmica nesta terça-feira.

O enviado especial dos EUA para o Irã, Robert Malley, afirmou que havia uma proposta na mesa para um cronograma pelo qual o Irã poderia voltar a cumprir o acordo nuclear e Washington poderia aliviar as sanções contra Teerã.

Conversas indiretas entre Teerã e Washington com o objetivo de quebrar um impasse sobre como salvar o pacto nuclear iraniano de 2015 terminaram em Doha, no Catar, na semana passada, sem o progresso esperado.

Malley disse que os negociadores iranianos acrescentaram novas exigências.

"Eles, inclusive em Doha, acrescentaram exigências que eu acho que qualquer pessoa observando isso perceberia como não tendo nada a ver com o acordo nuclear, coisas que eles queriam no passado", disse ele em entrevista à National Public Radio.

As demandas incluíam algumas que os Estados Unidos e os europeus disseram não poder fazer parte das negociações.

"A discussão que realmente precisa acontecer agora não é tanto entre nós e o Irã, embora estejamos preparados para isso. É entre o Irã e ele mesmo", disse Malley. "Eles precisam chegar a uma conclusão sobre se estão preparados para voltar a cumprir o acordo."

Agora, Teerã está muito mais perto de ter material físsil suficiente para uma bomba nuclear, afirmou Malley, embora eles não pareçam ter retomado seu programa de armamento.

"Mas é claro que estamos alarmados, assim como nossos parceiros, com o progresso que fizeram no campo de enriquecimento", disse Malley.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade