PUBLICIDADE

Índia e Rússia firmam acordos de comércio e armas durante visita de Putin

6 dez 2021 15h06
ver comentários
Publicidade

Rússia e Índia assinaram uma série de acordos de comércio e armas durante uma visita do presidente Vladimir Putin a Nova Délhi para conversas com o primeiro-ministro Narendra Modi nesta segunda-feira, incluindo um que permitirá à Índia produzir mais de 600 mil rifles de assalto Kalashnikov.

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, se reúne com primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, em Nova Délhi
06/12/2021 REUTERS/Adnan Abidi
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, se reúne com primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, em Nova Délhi 06/12/2021 REUTERS/Adnan Abidi
Foto: Reuters

Putin viajou à Índia com os ministros da Defesa e das Relações Exteriores para a visita, na qual os dois países reforçaram os laços com um pacto de cooperação militar e técnica até 2031 e uma promessa de aumentar o comércio anual para 30 bilhões de dólares até 2025.

O presidente russo está visitando a Índia em um momento de tensão na relação entre a Rússia e os Estados Unidos, que também são aliados essenciais do governo indiano e expressam reservas a respeito da cooperação militar crescente entre Índia e Rússia.

Um comunicado conjunto publicado depois das conversas informou que Rússia e Índia "reiteraram sua intenção de fortalecer a cooperação de defesa, inclusive no desenvolvimento conjunto na produção de equipamento militar".

Além do acordo para a Índia produzir rifles de assalto AK-203, a Rússia disse estar interessada em continuar a fornecer sistemas de defesa aérea com mísseis S-400.

O secretário indiano das Relações Exteriores, Harsh Vardhan Shringla, disse que os dois países firmaram 28 acordos de investimento, inclusive nos setores de aço, construção de navios, carvão e energia, e que um contrato de 2018 para os sistemas S-400 está sendo implantado no momento.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade