0

Índia ajudará trabalhadores migrantes a deixarem cidades em meio a aumento de infecções

19 mai 2020
12h11
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A Índia mobilizará mais trens e ônibus especiais para permitir que milhões de trabalhadores migrantes aflitos partam das grandes cidades, anunciou o governo federal nesta terça-feira, enquanto em alguns Estados é cada vez maior a preocupação com o aumento de infecções trazidas pelos que voltam para casa.

Família aguarda em Noida, na Índia, para embarcar em ônibus de volta para casa
19/05/2020 REUTERS/Anushree Fadnavis
Família aguarda em Noida, na Índia, para embarcar em ônibus de volta para casa 19/05/2020 REUTERS/Anushree Fadnavis
Foto: Reuters

Os trabalhadores estão caminhando longas distâncias ao sair de suas casas no interior desde que o primeiro-ministro, Narendra Modi, impôs um isolamento vasto em março para controlar a disseminação do coronavírus, suspendendo todo o transporte público.

Depois de inicialmente tentar mantê-los nas cidades em que estão empregados, agora as autoridades os estão ajudando a ir para casa.

O Ministério da Habitação disse estar trabalhando com os Estados para acionar trens e ônibus especiais e estabelecer locais de repouso para os caminhantes.

A medida coincide com a marca de mais de 100 mil casos confirmados nesta terça-feira no país - um número que supera o da China, onde o vírus surgiu no final do ano passado.

O receio é que os migrantes, que estão deixando focos de coronavírus como Mumbai, Nova Délhi e Ahmedabad, possam estar levando o vírus para o interior.

Desde o início de maio, cerca de 70% de todos os casos de coronavírus de Bihar, Estado densamente povoado do leste, foram ligados a trabalhadores migrantes, disse a principal autoridade estadual de saúde, Sanjay Kumar.

"A maior prioridade são as pessoas que estão vindo de Délhi, porque este tem a maior porcentagem de casos positivos", disse Kumar à Reuters.

Em Odisha, também no leste, 851 dos 978 casos confirmados até esta terça-feira eram de pessoas retornando, a maioria trabalhadores migrantes, de acordo com dados estaduais.

No distrito de Ganjam, mais de 53 mil migrantes foram examinados e postos em quarentena desde o começo de março, e outros 200 mil são esperados no final deste mês, disse uma autoridade de saúde.

O funcionário disse que administrar tais números é desafiador.

"As coisas estão sob controle, mas poderíamos ter lidado com isso muito melhor se as pessoas tivessem sido trazidas em números menores e em fases", disse.

Veja também:

O que o muro de Trump diz sobre a eleição dos EUA
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade