Hospitais do Canadá usam pulmões artificiais e buscam funcionários para tratar pacientes jovens de Covid-19

6 abr 2021
0comentários
Publicidade

Os canadenses mais jovens são as maiores vítimas da disparada mais recente de Covid-19 no país, o que cria uma demanda crescente de pulmões artificiais e uma dificuldade para manter funcionários em unidades de tratamento intensivo enquanto hospitais fazem esforços desesperados para salvar pacientes.

Entrada de emergência de hospital em Winnipeg, Manitoba, Canada
01/11/2020
REUTERS/Shannon VanRaes
Entrada de emergência de hospital em Winnipeg, Manitoba, Canada 01/11/2020 REUTERS/Shannon VanRaes
Foto: Reuters

Os tratamentos com pulmões artificiais, conhecidos como oxigenação por membrana extracorpórea (Ecmo), são muito mais prováveis em pacientes de menos de 65 anos, explicou Marcelo Cypel, diretor cirúrgico do programa de suporte de vida extracorpóreo da Rede de Saúde da Universidade de Toronto (UHN).

Na semana passada, a UHN teve um recorde de 19 pacientes em Ecmo, 17 deles com casos graves de Covid-19. Quando os pulmões dos pacientes mais doentes de Covid-19 se enchem de fluidos e os ventiladores mecânicos não dão mais conta do trabalho, pulmões artificiais podem salvar vidas.

Até segunda-feira, os médicos haviam conseguido liberar alguns das máquinas e estavam com 14 pacientes em Ecmo, 12 deles com Covid-19.

A necessidade dos pulmões artificiais reflete uma mudança para pior na epidemia do Canadá --os casos novos estão disparando e os surtos estão atingindo ambientes de trabalho e escolas.

Como muitos idosos estão vacinados e novas variantes muito mais contagiosas do coronavírus estão circulando amplamente, os pacientes mais jovens são cada vez mais numerosos nas UTIs.

"É muito diferente agora da primeira onda, quando vimos pessoas mais velhas com comorbidades", disse Cypel. "Estamos vendo mais... trabalhadores essenciais jovens."

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade