0

Harry e Meghan processam tabloide: 'Perdi minha mãe e agora vejo minha esposa sendo vítima'

Casal real acusa The Mail on Sunday por publicar carta de Meghan ao pai após casamento.

2 out 2019
07h00
atualizado às 08h13
  • separator
  • 0
  • comentários

A duquesa de Sussex, Meghan Markle, está processando o tabloide britânico The Mail on Sunday por ter publicado "ilegalmente" uma carta pessoal de sua autoria.

Em comunicado, o príncipe Harry afirmou que ele e a mulher foram forçados a tomar uma atitude diante do que chamou de "campanha implacável" de determinados veículos da imprensa britânica.

Carta divulgada pelo jornal foi escrita à mão por Meghan e enviada ao pai logo após o casamento com Harry
Carta divulgada pelo jornal foi escrita à mão por Meghan e enviada ao pai logo após o casamento com Harry
Foto: EPA / BBC News Brasil

E comparou a situação de Meghan com a perseguição que sua mãe, a princesa Diana, enfrentou dos tabloides, antes de morrer em um acidente de carro, em 1997, fugindo de paparazzi, em Paris.

"Perdi minha mãe e agora vejo minha esposa sendo vítima das mesmas forças poderosas", declarou.

Um porta-voz do The Mail on Sunday informou que o jornal sustenta a reportagem publicada e defenderá o caso "vigorosamente".

O escritório de advocacia Schillings, que representa o casal real, acusa o tabloide de conduzir uma campanha de histórias falsas e depreciativas.

E entrou com a ação na Suprema Corte contra o tabloide e a Associated Newspapers, empresa controladora, por suposto uso indevido de informações privadas, violação de direitos autorais e descumprimento da Lei de Proteção de Dados 2018.

A carta em questão foi escrita à mão por Meghan e enviada a seu pai, Thomas Markle, logo após o casamento dela com o príncipe Harry em 2018.

'Medo que a história se repita'

No texto publicado no site oficial do casal, o príncipe Harry diz que "seu maior medo é que a história se repita".

"Já vi o que acontece quando alguém que amo é tão mercantilizado ao ponto de não ser tratado ou visto como uma pessoa de verdade", escreveu, se referindo à mãe.

Para Nicholas Witchell, repórter da BBC especializado em assuntos da monarquia britânica, a declaração foi "notavelmente franca" e "nada menos que um ataque contundente à imprensa de tabloides britânica".

Roy Greenslade, colunista do jornal britânico The Guardian e ex-editor do tabloide Daily Mirror, acredita que a duquesa pode ganhar a ação, mas acha que o príncipe Harry se arriscou ao atacar a imprensa pela atitude de um único jornal.

"A imprensa — particularmente os tabloides — tem muito menos poder hoje do que na época da mãe dele", disse Greenslade ao programa Today da BBC Radio 4.

"Ele está usando uma marreta para quebrar nozes? Pode ser que ele descubra que isso é contraproducente."

Não é a primeira vez, no entanto, que a família real toma medidas legais contra a imprensa. Em 2017, a duquesa de Cambridge, Kate Middleton, e o marido, príncipe William, receberam uma indenização de 92 mil libras (cerca de R$ 470 mil) por perdas e danos, depois que a revista francesa Closer publicou fotos da duquesa de topless tiradas em 2012.

Um tribunal francês decidiu que as imagens representavam uma invasão da privacidade do casal.

'Mentira após mentira'

A ação judicial de Meghan e Harry está sendo financiada com recursos privados do casal, e eventuais ganhos serão doados a uma instituição de caridade antibullying.

Em sua declaração, Harry afirma que ele e Meghan acreditam na "liberdade de imprensa e em reportagens objetivas e verdadeiras" como "um dos pilares da democracia".

Mas desabafa que, infelizmente, sua esposa se tornou "a vítima mais recente de um tabloide britânico que realiza campanhas contra indivíduos sem pensar nas consequências — uma campanha implacável que se intensificou ao longo do ano passado, durante a gravidez e enquanto criamos nosso filho recém-nascido".

"Existe um custo humano para essa campanha implacável, especificamente quando ela é conscientemente falsa e maliciosa, e, embora continuemos fazendo cara de valente — como muitos de vocês podem se identificar —, não consigo começar a descrever o quão doloroso tem sido", acrescenta.

Na primeira saída oficial de Archie, Meghan e Harry levaram o bebê para um encontro com Desmond Tutu, vencedor do Prêmio Nobel da Paz
Na primeira saída oficial de Archie, Meghan e Harry levaram o bebê para um encontro com Desmond Tutu, vencedor do Prêmio Nobel da Paz
Foto: EPA / BBC News Brasil

Segundo ele, a "cobertura positiva" da atual viagem do casal pela África expôs os "padrões duplos" desta "parte específica da imprensa que a difamou quase diariamente nos últimos nove meses".

"Eles foram capazes de criar mentiras após mentiras às custas dela, simplesmente porque ela não era vista publicamente durante a licença-maternidade", afirma.

"Ela é a mesma mulher que era há um ano no dia do nosso casamento, assim como ela é a mesma mulher que você viu nesta turnê pela África."

Harry se diz "uma testemunha silenciosa de seu sofrimento particular há muito tempo".

"Recuar e não fazer nada seria contra tudo em que acreditamos", afirmou.

Carta editada

Ele acusou ainda o tabloide de enganar leitores ao publicar uma carta pessoal, omitindo estrategicamente parágrafos, frases e palavras específicas "para mascarar as mentiras que eles contaram por mais de um ano".

"Simplificando, isso é bullying, assusta e silencia as pessoas. Todo mundo sabe que isso não é aceitável, em nenhum nível", acrescentou.

"Não vamos e não podemos acreditar em um mundo onde não se responsabilizam por isso."

O jornal The Mail on Sunday nega, no entanto, que o conteúdo da carta tenha sido editado:

"Negamos categoricamente que a carta da duquesa foi editada de alguma forma que tenha alterado seu significado", afirmou o porta-voz do tabloide.

Veja também:

 

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade