3 eventos ao vivo

Grupo de Salvini na UE se chamará 'Identidade e Democracia'

Aliança terá 73 dos 751 assentos no Parlamento Europeu

13 jun 2019
11h17
atualizado às 11h59
  • separator
  • 0
  • comentários

A nova aliança nacionalista do ministro do Interior e vice-premier da Itália, Matteo Salvini, no Parlamento da União Europeia se chamará "Identidade e Democracia" (ID).

Matteo Salvini lidera comício da extrema direita em Milão
Matteo Salvini lidera comício da extrema direita em Milão
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

O grupo reúne a sigla Europa das Nações e da Liberdade (ENF), que já tinha como expoentes o próprio Salvini e a francesa Marine Le Pen, com outros partidos eurocéticos e de extrema direita, como o Alternativa para a Alemanha (AfD).

"Identidade e Democracia será o nome de nosso grupo no Parlamento Europeu pelos próximos cinco anos", disse no Twitter o eurodeputado Thierry Mariani, do partido francês Reunião Nacional (RN), liderado por Le Pen.

O ID terá 73 dos 751 assentos no Parlamento da UE e deve ser a principal força de oposição no Legislativo, com a quinta maior bancada. Na frente dos "soberanistas" estão os grupos Partido Popular Europeu (PPE), com 179; Socialistas e Democratas (S&D), com 153; Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa (Alde), rebatizada pelo presidente da França, Emmanuel Macron, como "Renovar Europa", com 106; e Verdes, com 75.

Esses números, no entanto, ainda podem ser alterados por eventuais mudanças partidárias nos próximos dias. A italiana Liga, de Salvini, será a maior força dentro do ID, com 28 assentos, à frente do RN (22) e do AfD (11).

Para se juntar à Liga, o partido alemão abandonou outra legenda italiana, o antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), que corre o risco de ficar sem grupo - e, por consequência, sem influência - na próxima legislatura europeia.

O ID, no entanto, não conseguiu atrair a forte extrema direita polonesa, crítica das posições pró-Rússia de Salvini e Le Pen, o partido Brexit, de Nigel Farage, e o ultraconservador húngaro Viktor Orbán, que não quis romper laços com o PPE.

Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade