PUBLICIDADE

Governo Biden divulga plano para combater piora dos incêndios florestais nos EUA

18 jan 2022 18h26
ver comentários
Publicidade

O governo Biden divulgou nesta terça-feira um plano de 10 anos para tratar e manter milhões de hectares adicionais de florestas no oeste dos Estados Unidos para reduzir a gravidade dos incêndios florestais sazonais.

"Não vamos parar os incêndios", disse o secretário de Agricultura dos EUA, Tom Vilsack, em um evento de imprensa no Arizona, ao lado do chefe do Serviço Florestal, Randy Moore. "Mas o que podemos fazer é iniciar um processo de redução da natureza catastrófica desses incêndios."

O plano, chamado de "estratégia de crise de incêndios florestais", visa tornar cerca de 20 milhões de hectares de florestas mais saudáveis e resistentes aos incêndios por meio de tratamentos como desbaste, poda e queimadas prescritas, disseram eles.

As temporadas de incêndios florestais pioraram nos Estados Unidos nos últimos anos, após décadas de política federal para extinguir imediatamente os incêndios florestais em vez de deixar alguns deles queimarem de maneira controlada, levando ao acúmulo de arbustos inflamáveis, segundo um relatório sobre o plano.

As mudanças climáticas também levaram a condições mais quentes e secas no oeste norte-americano, tornando os incêndios mais comuns e os arbustos mais inflamáveis.

O Serviço Florestal dos EUA tem tratado historicamente cerca de 800 mil hectares no oeste dos Estados Unidos anualmente, disse o relatório.

Sob o novo plano, o Serviço Florestal, juntamente com o Departamento do Interior e outros parceiros, tratará até 8 milhões de hectares adicionais de terras do Sistema Florestal Nacional e até 12 milhões de hectares adicionais de outras áreas federais, estaduais e privadas nos próximos 10 anos.

A prioridade serão as regiões do Arizona, Colorado, Califórnia, Oregon e Washington.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade