0

Ex-general israelense ganha força após primeiro discurso de campanha, mostram pesquisas

30 jan 2019
20h44
  • separator
  • 0
  • comentários

O maior adversário do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, um popular ex-general, obteve fortes ganhos nesta quarta-feira nas primeiras pesquisas de opinião divulgadas após o discurso inaugural de sua campanha para as eleições de abril.

Benny Gantz chega para discurso de campanha em Tel Aviv
29/01/2019 REUTERS/Amir Cohen
Benny Gantz chega para discurso de campanha em Tel Aviv 29/01/2019 REUTERS/Amir Cohen
Foto: Reuters

Mas, em uma disputa multipartidária cujo vencedor final tem sempre sido determinado por manobras de bastidores, Netanyahu ainda está a caminho de construir uma coalizão de direita no Parlamento semelhante à que lidera agora, de acordo com comentários que acompanham as pesquisas.

Em um muito aguardado discurso na terça-feira, que rompeu o seu silêncio desde que se juntou à campanha, o ex-chefe militar Benny Gantz criticou o que descreveu como uma liderança distante da população e muito preocupada em se manter no poder.

Quatro pesquisas de opinião, divulgadas em canais de TV e sites de notícia israelenses nesta quarta-feira, mostraram um aumento na popularidade do partido de centro de Gantz, a custo de adversários de centro-esquerda. Mas, a legenda ainda aparece atrás do partido de direita Likud, de Netanyahu.

As pesquisas indicam que o partido de Gantz deve conquistar entre 19 e 24 assentos no Parlamento de 120 membros de Israel --contra a faixa de 12 a 15 em pesquisas anteriores. Enquanto isso, o Likud deve conseguir entre 29 e 31 assentos, número semelhante ao das previsões anteriores.

Comentaristas políticos têm descrito Gantz como o primeiro candidato em anos que eleitores podem considerar como páreo a Netanyahu, agora em seu quarto mandato como primeiro-ministro, em termos de conhecimento de segurança.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade