0

Prefeito nega anti-semitismo em cidade da Ucrânia

10 jun 2012
10h50
atualizado às 11h10

O prefeito da cidade Lviv negou neste domingo afirmações da mídia sobre racismo na Ucrânia e rejeitou apelo de um grupo judeu de direitos humanos para que fossem evitados alguns restaurantes na cidade sob alegação de que são anti-semitas.

Lviv é uma das quatro cidades ucranianas a sediar jogos de futebol. Na preparação para o torneio, as mídias britânica e alemã falaram em racismo generalizado no país e mencionaram torcedores do time local Karpaty Lviv, conhecidos por portar bandeiras nazistas nos jogos.

O prefeito Andriy Sadovyi irritou-se quando questionado sobre as declarações da organização judaica de direitos humanos Simon Wiesenthal Center para que dois restaurantes sejam boicotados. "Desculpe, desculpe, desculpe: esses restaurantes são uma atração, mas nunca houve qualquer anti-semitismo e nunca haverá", disse o prefeito.

A população judaica era significante em Lviv antes da Segunda Guerra Mundial, mas foi quase totalmente exterminada por nazistas. Um dos restaurantes é uma réplica de esconderijo usado por seguidores do líder nacionalista Stepan Bandera.

O outro oferece chapéus pretos com cachos artificiais, parecidos com os usados por judeus religiosos. Não há preços no menu e espera-se que os clientes pechinchem, algo que o Simon Wiesenthal Center considera um "notório estereótipo anti-semita que ainda prevalece na Europa Oriental".

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
publicidade