3 eventos ao vivo

Brasileiro de 66 anos com Alzheimer está desaparecido na França

Ricardo Carvalho de Castro havia saído para fazer exercícios quando sumiu, afirma o filho

24 out 2018
12h10
atualizado às 12h20
  • separator
  • comentários

Um brasileiro de 66 anos, diagnosticado recentemente com Alzheimer, está desaparecido na França desde o dia 16. Segundo seu filho, Daniel Monsanto de Castro, o pai havia saído para fazer exercícios em um parque em Saint-Germain-en-Laye, nos arredores de Paris, quando sumiu.

O desaparecimento foi divulgado em nível nacional pelas autoridades
O desaparecimento foi divulgado em nível nacional pelas autoridades
Foto: Arquivo Pessoal / BBC News Brasil

De acordo com o filho, cães farejadores da polícia seguiram o rastro de seu pai, Ricardo Carvalho de Castro, até as imediações de um parque da cidade - famosa por sediar o campo de treinamento do time Paris Saint-Germain.

"A polícia acredita que a partir daquele ponto ele entrou em um veículo, seja um ônibus, um táxi ou uma carona", afirma Monsanto, que desde então tem colado cartazes de busca em diversas localidades da região.

"Estou vivendo uma agonia. É difícil conseguir dormir", diz o filho.

Enquanto o filho pregava avisos de desaparecimento pelas ruas, uma pessoa informou ter visto seu pai na estação de trem suburbano de La Défense, nas proximidades da capital francesa.

Ricardo Carvalho de Castro (à dir.) com o filho Daniel e os netos
Ricardo Carvalho de Castro (à dir.) com o filho Daniel e os netos
Foto: Arquivo Pessoal / BBC News Brasil

"Meu pai nunca tomou sozinho um transporte coletivo na França. Não temos como saber se isso ocorreu. Só há uma entrada na estação de Saint-Germain-des-Près. Mas a polícia não me informou se ele foi visto nas câmeras de segurança do local", conta Monsanto.

Procurado pela BBC News Brasil, um major da polícia de Saint-Germain-en-Laye, que preferiu não se identificar, afirmou apenas que o desaparecimento foi divulgado em nível nacional pelas autoridades e que uma investigação está em andamento, sem dar detalhes.

De acordo com Monsanto, a polícia de Saint-Germain-en-Laye recebeu uma ligação de alguém que teria visto seu pai em Paris.

"A polícia me disse que quando o aviso de desparecimento começa a ter mais repercussão, muitos querem encontrar a pessoa sumida e no final não é ela", diz o filho.

"A polícia declarou que se várias pessoas ligarem dando a mesma informação, eles podem seguir tentar essa pista. Mas quando uma pessoa liga e não dá precisões, é mais difícil nesse caso porque consideram que a informação não é confiável", diz o filho.

Ricardo está desaparecido há uma semana
Ricardo está desaparecido há uma semana
Foto: Arquivo Pessoal / BBC News Brasil

Segundo Daniel, a próxima etapa da polícia será a coleta de DNA.

Hospitais e institutos médicos legais foram informados do desaparecimento pelas autoridades.

Um outro senhor, de 80 anos, desapareceu com seu cachorro também em Saint-Germain-en Laye, apenas uma semana antes do sumiço de Ricardo Carvalho de Castro. A informação foi confirmada pela polícia da cidade.

Redes sociais

Monsanto, que mora na França há sete anos, onde trabalha como motorista de passeios turísticos, conta ter trazido o pai do Rio de Janeiro para Saint-Germain-en-Laye há cinco meses porque ele estaria passando necessidades no Brasil.

Segundo ele, seu pai já tinha sintomas da doença de Alzheimer, mas não queria ir ao médico enquanto estava no Brasil.

O filho conta que o levou para fazer exames na França e também para consultar uma neurologista em Portugal, onde o pai, sem a barreira da língua, pôde fazer testes de memória e responder às perguntas do médico.

Na avaliação, seu pai não soube, por exemplo, dizer ao neurologista quem é o presidente do Brasil, conta o filho.

Desde o desaparecimento do pai, há 8 dias, Monsanto havia parado de trabalhar e só retomou as atividades de motorista nesta quarta-feira para aproveitar um passeio turístico que dura o dia todo para colocar cartazes de busca durante as paradas.

Monsanto foi orientado a procurar pelo pai em abrigos para moradores de rua, serviços assistenciais de igrejas e outros locais do tipo.

"Pensei em fazer isso, mas é uma agulha no palheiro. Preferi batalhar nas redes sociais para divulgar a informação do desaparecimento do meu pai."

Monsanto espera mobilizar jogadores como Neymar e também ex-jogadores brasileiros do Paris Saint-Germain para que eles divulguem em suas redes a notícia do desaparecimento.

O objetivo é que parisienses e moradores das periferias da capital também fiquem a par da notícia.

Seu pai tinha uma nova consulta com a neurologista em Portugal nesta quarta-feira e amanhã deveria retornar ao Brasil, onde iria morar perto de outro filho para ter um acompanhamento constante, conta Monsanto.

"A passagem já estava comprada. Todos os dias ele perguntava quantos dias faltavam para a volta. Ele estava super contente de voltar e de morar perto do meu irmão. E aí aconteceu isso", lamenta o filho.

Veja também:

 

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • comentários
publicidade