PUBLICIDADE

EUA vão apoiar iniciativa global para zerar emissão de carbono no setor de navegação

20 abr 2021
0comentários
Publicidade

Os Estados Unidos vão se juntar a uma iniciativa da Organização Marítima Internacional (OMI) para atingir emissão líquida zero de carbono no setor de navegação até 2050, anunciou o enviado especial do clima John Kerry nesta terça-feira, antes de uma cúpula de líderes para o clima que o presidente norte-americano, Joe Biden, irá comandar nesta semana. 

John Kerry em Washington
 27/1/2021   REUTERS/Kevin Lamarque
John Kerry em Washington 27/1/2021 REUTERS/Kevin Lamarque
Foto: Reuters

"Eu quero anunciar que em apoio à iniciativa global para nos manter dentro dos 1,5 grau Celsius e em apoio aos esforços globais para atingir zero emissão líquida até 2050, os Estados Unidos estão se comprometendo a trabalhar com países na OMI para adotar a meta de atingir zero emissão na navegação internacional até 2050", disse Kerry em uma conferência da organização Ocean Conservancy. 

O setor global de transportes marítimos emite 1 bilhão de toneladas métricas de dióxido de carbono todo ano, de acordo com a Ocean Conservancy, um número equivalente às emissões anuais da Alemanha.

Kerry disse na conferência que os Estados Unidos irão ajudar a distribuir tecnologias necessárias para reduzir rapidamente as emissões do setor, que segundo ele "são conhecidas" para nós e precisam de investimentos para serem adotadas em escala. 

Autoridades britânicas e da União Europeia enviaram uma carta para Biden em março exigindo que os Estados Unidos incluam as emissões dos transportes nas próximas metas climáticas do país sob o acordo de Paris e para que a responsabilidade por todas as emissões seja dividida entre os países de origem e de destino das mercadorias. 

Os Estados Unidos devem anunciar sua nova meta já na próxima quarta-feira, antes do início da conferência. 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade