PUBLICIDADE

Com 2 mil mortes diárias por covid, EUA revogam restrição a viajantes do Brasil

A partir de novembro, brasileiros completamente vacinados poderão ingressar no país sem a necessidade de fazer quarentena de 15 dias em um terceiro país, como acontecia até então.

20 set 2021 12h34
| atualizado às 14h33
ver comentários
Publicidade
Turistas brasileiros não precisarão mais fazer quarentena em um terceiro país
Turistas brasileiros não precisarão mais fazer quarentena em um terceiro país
Foto: Brian Snyder/REUTERS / BBC News Brasil

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira (20/9) que revogará a restrição de entrada no país a viajantes brasileiros, em vigor desde maio de 2020.

O coordenador de resposta ao coronavírus da Casa Branca, Jeff Zients, afirmou que a comprovação de vacina será pedida aos viajantes antes do embarque, no momento da apresentação do passaporte e do visto à companhia aérea.

"Cidadãos estrangeiros vindo aos Estados Unidos deverão estar totalmente vacinados e apresentar prova disso antes de embarcar em um avião com destino aos EUA. As vacinas são a melhor linha de defesa, a melhor ferramenta que temos em nosso arsenal para manter as pessoas seguras", afirmou Zients.

Os EUA enfrentam uma nova onda de contágio e mortes por covid, com a média móvel diária de mortes na faixa das 2 mil, segundo a Universidade Johns Hopkins.

A partir de novembro, brasileiros completamente vacinados poderão ingressar nos EUA sem a necessidade de fazer quarentena de 15 dias em um terceiro país, como acontecia até então.

Agora, bastará que o viajante oriundo do Brasil apresente um teste PCR feito um dia antes e se submeta a um novo exame após a chegada. Não há informações sobre restrição de marcas de vacinas.

A restrição ao Brasil foi levantada junto a de outros 32 países que também tinham viajantes barrados.

Medidas de restrição estavam em vigor há um ano e meio
Medidas de restrição estavam em vigor há um ano e meio
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Essa era uma demanda de meses do governo brasileiro que se tornou ainda mais urgente com o avanço da vacinação no Brasil.

Atualmente, o Brasil já possui mais vacinados com a primeira dose do que os Estados Unidos, embora apenas cerca de 1/3 da população esteja completamente vacinada.

Já nos EUA, metade da população tomou as duas doses ou doses únicas mas a vacinação desacelerou por encontrar desconfiança e recusa em parcela significativa dos cidadãos.

Em Nova York para o discurso de abertura da Assembleia-Geral da ONU, Bolsonaro deverá exaltar o avanço da cobertura vacinal do Brasil e dizer que espera encerrar a completa imunização da maior parte da população até novembro, o que permitiria ao Brasil doar doses a países com escassez na América Latina, como Haiti e Paraguai.

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Publicidade
Publicidade