PUBLICIDADE

EUA devem remover Farc da lista de terrorismo, dizem fontes

23 nov 2021 20h03
ver comentários
Publicidade

O governo dos Estados Unidos se prepara para remover o grupo rebelde colombiano Farc da lista de organizações terroristas internacionais, cinco anos após os rebeldes assinarem um acordo de paz com o governo da Colômbia, afirmaram fontes familiarizadas com o assunto nesta terça-feira.

Protesto das Farc em Bogotá
1/11/2020 
REUTERS/Luisa Gonzalez
Protesto das Farc em Bogotá 1/11/2020 REUTERS/Luisa Gonzalez
Foto: Reuters

O Departamento de Estado dos EUA notificou o Congresso nesta terça-feira sobre o plano de retirar da lista as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), e um anúncio oficial é esperado para os próximos dias, afirmou uma das fontes à Reuters. 

A retirada da designação de terrorista pode ajudar na liberação de projetos de auxílio dos EUA que envolvem ex-rebeldes e impulsionar o acordo de maneira geral com uma demonstração adicional de apoio do governo norte-americano. 

"Começamos o processo de consultas com o Congresso sobre ações que estamos tomando em relação às Farc", disse o porta-voz do Departamento de Estado Ned Price em um pronunciamento diário, acrescentando que mais detalhes serão divulgados nos próximos dias. 

Price se recusou a especificar se a medida signifcaria a remoção das Farc da lista do terrorismo, mas afirmou que o governo do presidente Joe Biden está comprometido com a "implementação e preservação do acordo de paz da Colômbia". 

As Farc chegaram a um acordo de paz com o governo colombiano em 2016, encerrando sua parte no conflito armado que durava décadas no país andino, que deixou milhões de desabrigados e mais de 260 mil mortos. 

O acordo foi negociado com o apoio do governo do então presidente norte-americano Barack Obama, no qual Joe Biden era o vice-presidente. 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade