3 eventos ao vivo

Biden se torna 1º democrata a vencer na Geórgia em 28 anos

Trump, por sua vez, triunfou na Carolina do Norte, segundo CNN

13 nov 2020
17h33
atualizado às 19h10
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A emissora CNN projetou a vitória do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, na Geórgia, onde o Partido Democrata não vence há 28 anos, enquanto apontou o triunfo de Donald Trump na Carolina do Norte.

Democrata venceu as eleições por 306 delegados, contra 232 de Trump
Democrata venceu as eleições por 306 delegados, contra 232 de Trump
Foto: AFP / Ansa

Mais cedo, o canal também já havia informado a conquista do democrata no estado do Arizona. A agência Associated Press e a rede Fox News já tinham confirmado a vitória de Biden, mas os outros veículos decidiram esperar a apuração avançar.

Com a vitória nos dois últimos estados, o ex-vice de Barack Obama acumula 306 dos 538 votos no colégio eleitoral, contra 232 de Trump. O resultado é exatamente o oposto de 2016, quando o republicano conquistou 306 delegados contra 232 da democrata Hillary Clinton.

Biden é o primeiro candidato democrata a triunfar na Geórgia desde que Bill Clinton venceu em 1992. No estado, Trump havia iniciado a apuração em vantagem, mas o democrata o ultrapassou quando os votos de Atlanta e seus subúrbios foram contabilizados.

Até o momento, o presidente eleito tem 49,5% da preferência, contra 49,2% de Trump. A Geórgia (16 delegados) e Carolina do Norte (15) eram os dois últimos estados que não tinham vencedor definido.

Apesar das projeções indicarem a vitória de Biden, o atual presidente americano ainda não reconheceu a derrota. Sem apresentar provas, Trump alega uma suposta fraude eleitoral na apuração de alguns estados em que perdeu. Mas, até agora, nenhuma autoridade identificou qualquer irregularidade na contagem das cédulas.

Transição 

Hoje, a equipe de transição de Joe Biden já pediu o acesso ao briefing da inteligência presidencial, até então negado por Donald Trump, bem como a todas as prerrogativas previstas no processo de mudança de poder.

"Precisamos de informações em tempo real para enfrentar as crise do momento", afirmou Jen Psaky, da equipe do democrata, fazendo referência à pandemia. "É fundamental que nossa equipe e nossos especialistas tenham esse acesso".

Veja também:

Onde vão parar os votos antecipados nas eleições dos EUA?
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade