1 evento ao vivo

Empresas evitam divulgar custos financeiros das mudanças climáticas, diz relatório

21 out 2019
18h21
atualizado às 18h30
  • separator
  • 0
  • comentários

Empresas dos Estados Unidos e da Europa relacionadas a indústrias poluidoras raramente divulgam os riscos financeiros que enfrentam relacionados às mudanças climáticas, apesar de uma força-tarefa global ter pedido que elas o fizessem há dois anos, informou a Moody's Investors Service em relatório nesta segunda-feira.

06/02/2017. REUTERS/Amir Cohen
06/02/2017. REUTERS/Amir Cohen
Foto: Reuters

Análise dos registros públicos de 28 empresas de materiais de construção, petróleo e gás e serviços ocorre após a força-tarefa do conselho de estabilidade financeira sobre divulgações financeiras relacionadas ao clima recomendar, em 2017, a divulgação voluntária do impacto financeiro das mudanças climáticas pelas empresas.

O conselho de estabilidade financeira coordena as regras financeiras para os países do G20.

Embora 80% das empresas da amostra da Moody's tenham dito que as mudanças climáticas estavam afetando decisões estratégicas, apenas duas das 28 vincularam suas projeções climáticas a um efeito sobre os fluxos de caixa e balanços, segundo o relatório.

Essas empresas são uma concessionária europeia e uma empresa de petróleo e gás dos EUA, informou o relatório, sem citar nomes. As empresas que o serviço de classificação de crédito usou em sua análise têm uma dívida combinada de 877 bilhões de dólares. Elas incluíam Exxon Mobil Corp, Royal Dutch Shell Plc, Duke Energy Corp e Eletricite de France, entre outras.

"Embora as empresas tenham feito algum progresso no nível de divulgação que fornecem, a quantificação padronizada e consistente do impacto financeiro dos riscos climáticos ainda está em um estágio inicial", afirmou Vincent Allilaire, um dos autores do relatório, em comunicado.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade