PUBLICIDADE

Empresas e ricos precisam pagar "parte justa" para financiar educação nos EUA, diz Biden

3 mai 2021
0comentários
Publicidade

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu que os norte-americanos ricos e as corporações paguem sua "parte justa" para financiar faculdades comunitárias sem custo e outros benefícios, nesta segunda-feira, ao promover seus planos para gerar empregos e uma rede de segurança para famílias de trabalhadores em escolas no Estado da Virgínia. 

Joe Biden em escola na Virgínia
 3/5/2021    REUTERS/Jonathan Ernst
Joe Biden em escola na Virgínia 3/5/2021 REUTERS/Jonathan Ernst
Foto: Reuters

Ao falar na Faculdade Comunitária de Tidewater na cidade portuária de Norfolk, na Vírginia, Biden disse que sua proposta de expansão do sistema público de educação dos EUA vai reequilibrar a economia e beneficiar norte-americanos de baixa renda. 

Os Estados Unidos poderiam providenciar dois anos de educação gratuita se aumentarem o imposto de renda dos mais ricos ao nível que era em 2001, afirmou Biden.

"A escolha é sobre quem a economia atende. E por isso eu planejo oferecer isenções fiscais à classe trabalhadora e fazer com que todos paguem sua parte justa", disse. 

Mais cedo, Biden, ao lado de sua esposa, a professora de uma faculdade comunitária Jill Biden, conversou com uma sala de estudantes da quinta série em uma escola de Educação Fundamental em Yorktown. Os alunos tinham escudos transparentes em frente às suas carteiras como proteção contra o vírus.

As visitas escolares são parte de uma turnê de Biden para promover o plano de 2,3 trilhões de dólares para reconstruir estradas, infraestrutura de banda larga, e investimentos sociais que incluem 1 trilhão de dólares em educação e creches para os próximos 10 anos e 800 bilhões de dólares em isenções fiscais direcionadas a famílias de média e baixa renda.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade