6 eventos ao vivo

Iêmen diz ter matado brasileiros em ação contra a Al-Qaeda

Entre os mortos estão 12 membros do grupo terrorista, dentre eles, brasileiros; a ofensiva tinha como objetivo expulsar combatentes da Al-Qaeda das províncias de Abyan e Shabwa

29 abr 2014
14h33
atualizado em 30/4/2014 às 19h47
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>Ministro da Defesa do Iêmen, General Muhammad Nasir Ahmad, fala com tropas em um quartel do Exército na província de Shabwa antes de ofensiva contra redutos de militantes da Al Qaeda</p>
Ministro da Defesa do Iêmen, General Muhammad Nasir Ahmad, fala com tropas em um quartel do Exército na província de Shabwa antes de ofensiva contra redutos de militantes da Al Qaeda
Foto: Reuters

Dezoito soldados iemenitas e doze supostos integrantes da Al-Qaeda foram mortos nesta terça-feira durante confrontos no sul do Iêmen, onde o Exército lançou uma grande operação contra a rede extremista, indicaram fontes militares. Entre os integrantes da Al-Qaeda, haviam estavam brasileiros.

Combatentes da Al-Qaeda, que sofreram uma emboscada perto da cidade de Azzan, atacaram um comboio militar, dando início ao confronto, informou uma fonte militar.

Os insurgentes capturaram um veículo de transporte de tropas e os 15 soldados que estavam a bordo.

Os insurgentes extremistas, armados com lança-granadas e armas automáticas, também destruíram três veículos do exército e o confronto resultou em "quatro soldados mortos e outros seis feridos" e na morte de cinco extremistas, segundo a mesma fonte.

Outros três soldados morreram e sete ficaram feridos em uma outra emboscada, armada pela Al-Qaeda contra um comboio de sete veículos militares perto de Lahmar, uma localidade da província de Abyan, segundo uma autoridade.

O exército iemenita, apoiado por membros de milícias locais, lançou uma ofensiva terrestre na madrugada de terça-feira em uma tentativa de expulsar os combatentes da Al-Qaeda de seus redutos nas províncias de Abyan e Shabwa.

Veja também:

Quem é Jill Biden, a nova primeira-dama dos EUA?
AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade