0

Cúpula árabe concorda em criar força militar unificada

Região enfrenta levantes fortes e complexos desde a Primavera Árabe

29 mar 2015
10h11
atualizado às 10h39
  • separator
  • comentários

Os líderes árabes em uma cúpula no Egito anunciaram a formação de uma força militar unificada para combater as crescentes ameaças de segurança do Iêmen à Líbia.

<p>Rebeldes protestam em Sanaa contra ataques aéreos, em 26 de março</p>
Rebeldes protestam em Sanaa contra ataques aéreos, em 26 de março
Foto: Khaled Abdullah / Reuters

Elaborar mecanismo e logística de força unificada, uma ideia lançada pelo presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, poderia levar meses. Regimes semelhantes anteriores não conseguiram produzir resultados tangíveis no mundo árabe dividido.

O ministro de Relações Exteriores egípcio, Sameh Shukri, disse em entrevista coletiva que a força árabe seria voluntária, ou seja, nenhum país seria forçado a participar, e que poderia dar a países-membro a flexibilidade caso apareçam diferenças. Pelo menos dois países comprometeram-se com a força, acrescentou.

A força unificada seria supervisionado pelos chefes de equipes das forças armadas árabes, Sisi disse no encontro.

Os perigos enfrentados pela região desde os levantes da Primavera Árabe de 2011 são fortes e complexos.

Enquanto os conflitos se intensificam no Iêmen e na Líbia, a guerra civil na Síria está entrando em seu quinto ano. Egito, o país árabe mais populoso, enfrenta uma insurgência militante islâmica.

Militantes do Estado Islâmico assumiram áreas no Iraque e na Síria e levaram a grupos dissidentes em todo o mundo árabe. Os Estados Unidos e outras grandes potências buscam um acordo nuclear final com o Irã, em um processo que preocupa muitos líderes árabes sunitas desconfiados da crescente influência regional do Irã xiita.

O comunicado final da cúpula apelou por "coordenação, esforços e medidas para estabelecer uma força árabe unificada" para intervir em países como o Iêmen.

Entenda os conflitos na Síria Entenda os conflitos na Síria : Confrontos começaram em março de 2011, se transformaram em guerra civil e já fizeram milhares de mortos e outros milhões de refugiados

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade