3 eventos ao vivo

Dados de vacina de Oxford são 'robustos', dizem fontes

Imunizante virou alvo de dúvidas após resultados controversos

27 nov 2020
11h17
atualizado às 11h35
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Fontes ligadas ao desenvolvimento da vacina anti-Covid da Universidade de Oxford informaram à ANSA que os dados do imunizante são "robustos" e que os estudos adicionais anunciados pela AstraZeneca "não vão impactar nos prazos".

Vacina de Oxford é uma das mais promissoras para conter pandemia
Vacina de Oxford é uma das mais promissoras para conter pandemia
Foto: EPA / Ansa - Brasil

Segundo essas fontes, os resultados da terceira etapa dos ensaios clínicos da vacina devem ser publicados em uma revista científica na semana que vem e apresentados "em breve" à Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

A produção do imunizante já está em curso, e as primeiras doses serão disponibilizadas assim que houver aval das autoridades sanitárias.

Na última segunda-feira (23), a AstraZeneca, multinacional responsável pela produção e distribuição global da vacina de Oxford, divulgou que o medicamento tinha apresentado eficácia de até 90% na prevenção da Covid-19.

De acordo com a empresa, o pico de eficiência foi alcançado com um regime de meia dose seguida de uma dose inteira com intervalo de 15 dias. No entanto, descobriu-se que essa combinação é fruto de um erro e que idosos não foram submetidos a essa dosagem.

Isso levantou questionamentos da comunidade científica sobre os resultados preliminares do ensaio clínico e fez a AstraZeneca anunciar a necessidade de estudos "complementares" para confirmar a eficácia.

A vacina de Oxford é uma das mais promissoras para conter a pandemia, especialmente pelo seu baixo custo de produção e pelo fato de poder ser conservada em condições normais de refrigeração (2 a 8ºC).

O imunizante foi desenvolvido inicialmente em parceria com a empresa italiana Advent-IRBM, que produziu as doses das primeiras fases de testes. No fim de abril, a universidade britânica fechou um acordo com a AstraZeneca para produção e distribuição da candidata em nível global.  

Veja também:

Quem é Jill Biden, a nova primeira-dama dos EUA?
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade