3 eventos ao vivo

Comboio humanitário para a Venezuela chega à Colômbia

8 fev 2019
09h25
  • separator
  • comentários

Por Nelson Bocanegra e Anggy Polanco

Caminhão chega a depósito que abriga ajuda humanitária para a Venezuela em Cúcuta, na Colômbia
07/02/2019
REUTERS/Luisa Gonzalez
Caminhão chega a depósito que abriga ajuda humanitária para a Venezuela em Cúcuta, na Colômbia 07/02/2019 REUTERS/Luisa Gonzalez
Foto: Reuters

CÚCUTA, Colômbia/TIENDITAS, Venezuela - Caminhões transportando ajuda humanitária para a Venezuela chegaram à cidade fronteiriça colombiana de Cúcuta na quinta-feira, e o presidente Nicolás Maduro pareceu determinado a impedir a entrada no país, apesar de uma crise política crescente.

A chegada da ajuda humanitária, que inclui suprimentos fornecidos pelos Estados Unidos, aumentou a pressão sobre o , diplomaticamente isolado Maduro, horas depois de um grupo apoiado pela União Europeia pedir diálogo e eleições e rejeitar o intervencionismo.

Maduro rejeitou a ajuda, que classificou como um "show político", e prometeu continuar no cargo, apesar de dezenas de nações de todo o mundo desqualificarem sua liderança e reconhecerem o líder opositor Juan Guaidó como o chefe de Estado legítimo do país.

Escoltados por motos da polícia, os caminhões entraram em Cúcuta, onde venezuelanos esperavam para ver se o governo Maduro liberaria a estrada de fronteira que ele bloqueou e permitiria a passagem dos suprimentos humanitários.

A multidão empunhava cartazes descrevendo Maduro como um "câncer" e comemorava a chegada do comboio.

"Isso me dá muita esperança, especialmente para a família que deixei para trás, meus filhos, minha esposa", disse Israel Escobar, venezuelano de 42 anos que foi para Cúcuta um ano atrás vender sorvete nas ruas. "Este é mais um passo para acabar com aquele regime terrível".

Do lado venezuelano da divisa, um grupo de cerca de 60 manifestantes exigia a entrada da ajuda.

Maduro provocou um colapso econômico que cria dificuldades para milhões se alimentarem e desencadeou uma crise imigratória inédita na região.

Estimados três milhões de venezuelanos deixaram o país da Opep rico em petróleo desde 2015, cerca de 800 mil dos quais foram para a Colômbia.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade