PUBLICIDADE

Colômbia descarta reabertura de fronteira com a Venezuela por pandemia

15 abr 2021
0comentários
Publicidade

O presidente da Colômbia, Iván Duque, descartou nesta quinta-feira a possibilidade de reabrir a fronteira com a Venezuela por conta dos altos níveis de contágio da pandemia de Covid-19 no país vizinho.

Presidente da Colômbia, Iván Duque 
 12/3/2021   REUTERS/Luisa Gonzalez
Presidente da Colômbia, Iván Duque 12/3/2021 REUTERS/Luisa Gonzalez
Foto: Reuters

A Colômbia prorrogou no final de fevereiro o fechamento de suas fronteiras terrestres e fluviais até o próximo dia 1 de junho, como parte das iniciativas para evitar a propagação do coronavírus. O país sul-americano de 50 milhões de habitantes fechou suas fronteiras no dia 17 de março de 2020, quando começou a pandemia. 

"Eu sei de todas as urgências que os temas de abertura de fronteira têm. Mas também devemos ser neste momento especialmente cuidadosos com a situação de grande incerteza e desconhecimento sobre o crescimento exponencial da letalidade e também da voracidade que a Covid-19 tem neste momento na Venezuela", disse Duque.

"Por isso temos que agir com responsabilidade, não desconhecendo que esta é uma fronteira que se caracterizou por ser uma fronteira viva, mas também para que tenhamos essa prudência, pois não queremos viver nesta região situações como as que estão acontecendo no nosso país irmão", acrescentou o presidente colombiano em visita ao departamento Norte de Santander, na fronteira com a Venezuela. 

A Colômbia é o principal destino para os imigrantes venezuelanos que fogem da longa crise social e econômica no país exportador de petróleo. Atualmente mais de 1,7 milhão de venezuelanos moram na Colômbia, um número que pode aumentar nos próximos meses com a decisão do governo Duque de conceder-lhes um estatuto de proteção temporário por 10 anos. 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade