0

Cientistas criam ratos com duas mães usando células-tronco e edição genética

11 out 2018
14h52
  • separator
  • comentários

Cientistas chineses disseram nesta quinta-feira ter utilizado técnicas de edição genética e de células-tronco para produzir ratos saudáveis com duas mães, que depois se desenvolveram bem o suficiente para ter suas próprias ninhadas.

Em experimentos realizados para explorar por que é tão difícil para alguns animais se reproduzirem com pais do mesmo sexo, os pesquisadores disseram que ratos filhos de dois machos também foram criados, mas sobreviveram por apenas alguns dias.

Os resultados, publicados na revista científica Cell Stem Cell, sugerem que algumas barreiras para a reprodução entre parceiros do mesmo sexo podem ser superadas com células-tronco e edição genética dirigida. Entretanto, especialistas disseram que não há perspectiva de repetir o êxito entre humanos no futuro próximo.

"Considerar explorar tecnologia semelhante para aplicação humana no futuro próximo é implausível", disse Dusko Ilic, especialista em células-tronco da universidade King's College, de Londres, comentando os resultados chineses.

"O risco de anormalidades severas é muito alto, e levaria anos de pesquisa em diversos modelos animais para compreender completamente como isso pode ser feito de maneira segura".

Alguns répteis, anfíbios e peixes podem se reproduzir sem a necessidade de outro animal, mas é desafiador para mamíferos fazerem o mesmo, até com a ajuda da tecnologia de fertilização.

Os pesquisadores da Academia Chinesa de Ciências explicaram que em mamíferos, como alguns genes maternos ou paternos são cortados durante o desenvolvimento da linha germinativa por um mecanismo chamado de imprinting genômico, descendentes que não recebem o material genético do pai e da mãe podem se desenvolver de maneira anormal ou não ser viáveis.

Usando técnicas de edição genética, os cientistas deletaram três regiões de imprinting do genoma de células-tronco embrionárias haploide contendo o DNA de uma fêmea e os injetaram em óvulos de outra fêmea. Esse trabalho produziu 29 ratos a partir de 210 embriões. Os ratos eram normais, viveram até a idade adulta e tiveram suas próprias ninhadas.

"Essa pesquisa nos mostra o que é possível", disse Wei Li, que coliderou o trabalho.

Os cientistas disseram que ainda há obstáculos para aplicar esses métodos em outros mamímeros, mas que esperam explorar a técnica em outros animais no futuro.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade